Empresa recusa transportar HQ por causa de mamilos à mostra na capa

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O que era para ser um mero procedimento burocrático entre duas editoras se tornou a mais nova polêmica das redes sociais, com mais de 1.300 compartilhamentos até esta quinta-feira (16).

O caso começa com a publicação no Brasil da HQ "A Louca do Sagrado Coração", de Alejandro Jodorowsky e Moebius, em outubro do ano passado, pela editora Veneta. Como é uma tradução, a casa tinha por contrato a obrigação de enviar cinco exemplares da edição brasileira para a editora francesa Le Humanoïdes Associés, que tem os direitos da obra. A prática é praxe no mercado.

Para fazer o transporte, a Veneta escolheu a transportadora DHL --só que a encomenda foi recusada e retornou. Com o pacote, foi entregue um recado que dizia que "o conteúdo enviado não é permitido para transporte via DHL Express". Questionada pela editora, a transportadora afirmou que não transportava esse tipo de livro.

O motivo? Na capa da HQ há uma personagem com os seios à mostra, o que teria feito o material ser considerado pornográfico. 

Segundo os termos e condições de transporte da empresa, alguns itens são proibidos --de armas e drogas a pornografia, categoria na qual a HQ de Moebius e Jodorowsky teria sido enquadrada. Além disso, em nota enviada à reportagem, a DHL afirmou que pode inspecionar qualquer objeto enviado.

De acordo com a editora, os cinco exemplares de "A Louca do Sagrado Coração" foram enviados lacrados dentro de uma caixa. A única maneira de ter acesso à capa seria abrir a encomenda.

A HQ é um clássico do cineasta Alejandro Jodorowsky e de Moebius, um dos principais nomes dos quadrinhos franceses, e faz uma jornada mística e bem-humorada sobre autoconhecimento e filosofia, regada a diversas cenas de erotismo e sexo.

Isso bastou para inflamar as redes sociais, que caracterizaram a recusa da transportadora como censura e ecoaram casos recentes de tentativa de censura, como a uma HQ na Bienal do Livro do Rio de Janeiro e ao especial de Natal do Porta dos Fundos.

À Folha, porém, a empresa disse que houve apenas um erro de avaliação. "Ao reanalisar o caso, avaliando maiores detalhes do envio, como país de origem e destino, [...] informamos que a remessa não se enquadra na categoria de produto restrito para transporte. Esclarecimento já realizado com a editora", escreveu a DHL em nota.

A transportadora afirmou que abriu a possibilidade de refazer o transporte dos exemplares. Mas a Veneta disse que vai aproveitar uma viagem de seu diretor editorial à França para entregar as HQs pessoalmente. Por isso, disse que considera o caso encerrado e que não irá processar a transportadora.