Empresa diz que vai deixar de anunciar em jornal que não demitiu Rodrigo Constantino

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O jornal paranaense Gazeta do Povo está sofrendo pressão de anunciantes após divulgar, nesta sexta-feira (6), que vai manter o vínculo com o colunista Rodrigo Constantino, 44. O jornalista, cujo comentário sobre o caso da jovem Mariana Ferrer em uma transmissão ao vivo nas redes sociais causou revolta na internet, foi demitido das rádios Jovem Pan e Guaíba, da Record e do jornal Correio do Povo. Durante a live, Constantino afirmou que, caso a própria filha sofresse um abuso em condições semelhantes às descritas pela influenciadora digital, ele não denunciaria o homem e a deixaria de castigo. Na nota, o veículo de comunicação afima que Constantino explicou o que queria dizer em texto publicado na última quinta-feira (5) no jornal e, portanto, considera o episódio esclarecido. "[Ele] disse que jamais teve a intenção de analisar qualquer situação em concreto e reforçou a necessidade de que o caso de Mariana seja apurado e que, assim, faça-se justiça", diz o texto. "Disse, inclusive, que acha brandas as penas do crime de estupro em nosso país." "Ainda que não concordemos com a forma de muitos dos seus posicionamentos e com muitas das suas opiniões, continuamos acreditando na importância da diversidade de ideias e na importância do diálogo para a construção de uma sociedade melhor e de uma democracia cada vez mais madura, razão pela qual, após várias ponderações e análises, decidimos pela manutenção de Rodrigo Constantino em nosso quadro de colunistas", afirma o jornal. Porém, a notícia pegou os anunciantes de surpresa. Um deles, a empresa Loft, divulgou uma carta à imprensa na qual diz que não voltará a anunciar no jornal enquanto Constantino estiver por lá. "A decisão do veículo contrasta com outros meios que desligaram o colunista após estas declarações, como Rádio Jovem Pan, Record, Correio do Povo e Rádio Guaíba", diz a empresa. " A Loft se reserva o direito de direcionar seu investimento em publicidade a veículos que não compactuam com qualquer posicionamento que enxergue atenuantes circunstanciais no cometimento do crime de estupro, conforme previsto no artigo 213 do Código Penal." CONFIRA A ÍNTEGRA DO COMUNICADO DA LOFT: "A Loft tomou conhecimento nesta tarde de carta publicada pela Gazeta do Povo em que o veículo comunica sua decisão de manter em suas fileiras o colunista Rodrigo Constantino. Isso após o mesmo ter feito declarações responsabilizando as vítimas de estupro e isentando o estuprador, dependendo das circunstâncias. Diante desta carta, a Loft informa que decidiu nesta sexta-feira, 06 de novembro de 2020, suspender por período indeterminado, a veiculação de anúncios publicitários de sua marca no jornal Gazeta do Povo. A decisão do veículo contrasta com outros meios que desligaram o colunista após estas declarações, como Rádio Jovem Pan, Record, Correio do Povo e Rádio Guaíba. A Loft se reserva o direito de direcionar seu investimento em publicidade a veículos que não compactuam com qualquer posicionamento que enxergue atenuantes circunstanciais no cometimento do crime de estupro, conforme previsto no artigo 213 do Código Penal. A Loft defende incondicionalmente o respeito e a proteção às mulheres vítimas de violência."