Emicida faz live histórica e dispara contra Jair Bolsonaro: "eleja um assassino e espere um genocídio"

Emicida critica Jair Bolsonaro em live (reprodução)

Emicida prometeu uma live de cinco horas neste domingo de Dia das Mães (10). Mas ele fez mais. Muito mais. Em uma apresentação que durou mais de oito horas, o rapper relembrou quase toda a sua carreira, oscilando entre o protesto e o afeto, para mais de 60 mil pessoas simultâneas. Diante de todo o repertório, muitos fãs enalteceram o trabalho de um dos artistas brasileiros mais influentes deste século.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Foram 100 músicas tocadas. Uma história de hits que começou com Triunfo, em 2008, passou pelas mixtapes de estreia (as elogiadas Pra quem já Mordeu um Cachorro por Comida, até que eu Cheguei Longe...e Emicídio), e chegando hoje ao feat de Zeca Pagodinho na música do clipe recém-lançado Quem Tem um Amigo (Tem Tudo), um dos singles do AmarElo, seu terceiro álbum de estúdio.

Leia também

Como a vida toda é política, o rapper não se esquivou de comentários sobre a crise do novo coronavírus e, claro, o governo Jair Bolsonaro. Em português bem claro, ele deixou o recado. “Eleja um assassino e espere um genocídio. Essa é nossa realidade. [...] O que tem de mais nojento nesse país está representado por esse pensamento. É o pensamento de gente que olha para nós e [fala]: ‘Neguinho, agora, está isso. Neguinho, agora, está aquilo", falou.

“E daqui para frente, meu ‘parça’, só vai piorar para vocês, porque nós não vamos voltar, não. Não tem retrocesso, não tem moonwalker. Punho cerrado, brilho no olho, do jeito que Deus gosta, do jeito que Oxalá aplaude. Certo? Para quando eles falarem: ‘Neguinho isso, neguinho aquilo”. Nós vamos olhar na bolinha dos olhos deles e dizer: ‘Neguinho é o cara***’”. complementou.

Ao cantar Yasuke, Emicida também emocionou o público ao relembrar o desfile da sua grife, o Laboratório Fantasma, na São Paulo Fashion Week, em 2017, com o verso. "Fiz com a passarela o que eles fez com a cadeia e com a favela: enchi de preto", disse. Confira abaixo algumas reações da internet diante da apresentação histórica:

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.