Embratur compartilha post de turista criticando violência no Rio: "não recomendo a visita"

Embratur compartilha mensagem negativa sobre Rio de Janeiro e apaga horas depois - Foto: Reprodução/Instagram

A Agência Brasileira de Promoção internacional do Turismo (Embratur) compartilhou nesta terça-feira (04) em sua conta oficial em uma rede social um relato em inglês de uma turista que afirmou ter sido assaltada no Rio de Janeiro e disse que, infelizmente, não poderia recomendar uma visita a cidade.

A postagem foi excluída, mas até a manhã desta quarta-feira (05) estava visível. Em nota, a Embratur admitiu que seu post foi um “equívoco” e disse trabalhar para a promoção internacional do turismo no Brasil. A Riotour lamentou o ocorrido e disse que essa não se trata da opinião da maioria dos visitantes da capital fluminense. O órgão estadual disse ainda que a violência não é uma exclusividade do Rio de Janeiro.

Leia também

De acordo com informações do portal G1, a Secretaria Estadual de Turismo do Rio de Janeiro afirmou que tanto Embratur como Polícia Federal investigam a possibilidade de um hacker ter feito a postagem.

Na mensagem, a turista afirma que a cidade é bonita, mas que isso não basta. Ela escreve também que, durante os três dias que ficou na cidade com os familiares, eles foram assaltadas e a irmã, de apenas nove anos, testemunhou um roubo violento.

Depois de não recomendar a viagem, a mulher diz que espera que, no futuro, a situação melhore e que os turistas possam aproveitar as belezas da capital.

Ao G1, ela se identificou como Laiza e contou que mora na Alemanha, mas é brasileira, natural de Curitiba, no Paraná. “Moro na Alemanha há mais de seis anos Estive visitando o Rio com meu noivo alemão, minha mãe e minha irmã de Curitiba”, contou.

Segundo Laiza, a viagem foi “uma oportunidade de apresentar as belezas do meu país ao meu noivo, que nunca tinha vindo ao Brasil, além de passar tempo com minha família”.

Ela conta ainda que viu sua mensagem compartilhada pelo perfil oficial da Embratur e estranhou a decisão do órgão. “Imaginei que a pessoa que repostou não leu direito ou não entendo muito bem o inglês e achou que minha mensagem era mais positiva”.