Em "Pantanal", Zaquieu sofre homofobia, desperta gatilhos e faz o público chorar

Zaquieu se posicionou no capítulo desta segunda (4) (Foto: Reprodução/Globo)
Zaquieu se posicionou no capítulo desta segunda (4) (Foto: Reprodução/Globo)

Além do tão esperado sexo de Juma (Alanis Guillen) e Jove (Jesuíta Barbosa), o episódio de "Pantanal" desta segunda-feira (4) foi marcado pela tristeza de Zaquieu (Silvero Pereira) ao sofrer homofobia na fazenda de Zé Leôncio (Marcos Palmeira). A cena foi pesada, despertou gatilhos e fez muita gente chorar.

Ao pegar a chalana para deixar a região, o personagem deixou uma carta para a patroa explicando sua partida. "Esse lugar é maravilhoso, de fato. Mas não posso dizer que foi um paraíso para mim. Eu esperava enfrentar alguma resistência, mas confesso que não esperava causar tamanho desconforto pelo simples fato de ser quem eu sou", iniciou.

Em seguida, a carta abordou de forma mais intensa os ataques homofóbicos. "Não falo exclusivamente da forma rude como o Senhor José Leôncio falou comigo ou da relação possessiva da Dona Filomena com aquele fogão. Tem certas piadas que jurei para mim mesmo que não iria mais tolerar. Pode soar repentino, mas não exagerado que eu, enquanto ser humano, exija ser tratado com o mínimo de dignidade e decência, o que não fui por todos dessa fazenda e nem tenho esperança de ser. Por isso, achei melhor sair à francesa. Para evitar maiores transtornos, não darei nome aos bois nem aos boiadeiros. Espero que a senhora compreenda meus motivos", completou o empregado.

Zaquieu chegou no Pantanal com a patroa, Mariana (Selma Egrei), no capítulo do dia 1º de julho. Animado e com a intenção de fazer amigos, o rapaz logo se ofereceu para ajudar na cozinha e se aproximou dos peões. O que ele não esperava é que Filó (Dira Paes) não dividiria as funções com ele, Zé Leôncio daria algumas broncas e os peões, sobretudo Tadeu (José Loreto), seriam homofóbicos.

Zé Leôncio se posiciona

No final do capítulo, Zé Leôncio se viu obrigado a rever o próprio machismo. Ele chamou os peões para uma conversa tensa, sem excluir os filhos da bronca.

"O que aconteceu para ele ir embora desse jeito?", questionou o fazendeiro. Tadeu tentará fugir de qualquer tipo de responsabilidade, mas José Lucas (irandhir Santos) entregou: "Acho que foi ignorância da gente ter rido do jeito dele. "E daquele jeito, tinha como não rir? Nós só rimos do jeito esquisitinho dele. O senhor tinha que ver o pulinho que ele deu", afirmou Tadeu, aos risos.

O pai lembrou que Jove sofreu o mesmo quando chegou no Pantanal e explicou que homofobia é crime. Tadeu dirá que ele também poderia ser preso, pois também reproduz o preconceito. É aí que o "rei do gado" se posicionou em defesa de Zaquieu.

"Pois é isso mesmo que deveria acontecer se esse país fosse sério. Comigo, com vocês e com todo mundo que ri do 'jeitinho dele'. Xadrez. Pelo que eu vi, de um a cinco anos. A verdade é que nascemos e crescemos rindo disso, achando que o que um sujeito fazia entre quatro paredes era prova de caráter. Mas acontece que não é. E já que estamos aqui, quero dizer que, de hoje em diante, quem fizer pouco caso de uma pessoa pelo motivo que for, pode juntar suas tralhas e seguir seu rumo", disse o protagonista.