Em Cannes, diretor de 'Projeto Flórida' retrata ex-ator pornô sem rumo

·4 minuto de leitura

CANNES, FRANÇA (FOLHAPRESS) - Em seu auge, Mickey Saber ganhou cinco prêmios de cinema pornô. Derrotado e envelhecido, bate na porta de uma casa de madeira com a pintura descascada, em meio a chaminés de refinarias de petróleo, e usa toda a sua lábia para convencer a ex-mulher e a ex-sogra a lhe deixarem pelo menos tomar um banho.

É para a periferia industrial de Texas City que o americano Sean Baker vira suas câmeras em "Red Rocket", que nesta quarta (14) estreou no Festival de Cannes.

Mickey é interpretado por Simon Rex -que atuou como ator de filmes pornôs para o público gay no começo da carreira, antes de fazer sucesso como VJ da MTV. Com o banho já garantido, ele apresenta a Lexi --com quem continua casado no papel-, o plano que elaborou durante os dois dias da viagem de ônibus: dar aulas de karatê e ajudar a pagar as contas em troca de hospedagem.

Ela hesita, mas Lil, sua mãe, não perde tempo: pede 200 dólares de adiantamento e garante um lugar no sofá da sala para Mickey durante a noite -ao amanhecer, invariavelmente, ela liga a TV em um programa sensacionalista do qual não desgruda mais olhos.

Sem carteira assinada há 17 anos, o ex-ator pornô bate com a cara na porta em todas as tentativas de arrumar trabalho. Também não consegue o seguro-desemprego, porque no Texas exige 180 dias de residência no estado. Sua última opção é Leondria, uma traficante que o aceita como passador de drogas.

Em uma de várias cenas de humor do filme, Mickey compra um papel especial, estampado com a bandeira americana, para enrolar os baseados: "Sou um patriota", diz ele ao vendedor, enquanto a TV mostra um discurso de campanha eleitoral do então candidato Donald Trump.

O ator quarentão parece na verdade uma criança agitada, que fala o tempo todo com todo mundo, com a cadela Sophie e até sozinho. Bom vendedor, faz engrenar a venda de maconha e passa a sustentar Lexi, interpretada por Bree Elrod, e a mãe dela.

Também se aproxima de Lonnie, o jovem vizinho que vê o ator como ídolo e a quem leva para passear pela cidade em seu carro. Nas viagens, Mickey conta detalhes do passado, quando formava com Lexi um casal pornô de sucesso no YouTube.

Marido e mulher vão recobrando a intimidade na cama e fora dela, até o dia em que Mickey leva Lexi e Lil a uma loja de doces chamada Donuts Hole -trocadilho que abre toda uma série de piadas infames sobre buracos. Lá ele conhece Raylee, uma adolescente ruiva de rosto inocente, vivida por Suzanna Son.

Mickey se convence de que o ar angelical de Raylee, que logo se apresenta como Strawberry, esconde um excepcional talento para atriz pornô, e esse vira seu novo grande plano: levá-la a Hollywood, formar com ela um novo casal de sucesso e ficar milionário.

Sua intuição estava certa: Strawberry aceita fugir com ele. "Como você consegue convencer em três semanas fazer uma garota virar atriz pornô, e eu em três meses não chego nem no sexo oral?", admira-se Lonnie, pouco antes de descobrir que a partir dali nada será fácil para nenhum dos dois.

A trama de "Red Rocket" é menos plausível que a de "Projeto Florida" (2017), que acompanhou vidas marginais na cidade de Orlando, e a estrutura continua bastante tradicional. Mas seus personagens ricos, que se integram com fluidez, e sua capacidade de manter sempre um fio de tensão por trás de cenas simples mostram por que Baker, 50, é citado como um dos mais promissores diretores independentes dos EUA.

O filme também reforça uma marca presente desde sua estreia, em 2000, com "Four Letter Words" (2000), sobre americanos suburbanos e sua relação com a masculinidade. Baker trata das pessoas deixadas à margem da prosperidade americana e do ambiente em que elas vivem, mostrados sem condescendência nem preconceito.

Em entrevista após o lançamento de "Projeto Flórida", ele disse que quer expor "a realidade de certa classe média baixa justamente porque suas vozes não costumam ser ouvidas". Um trombadinha de Nova York que se descobre pai foi essa voz em "Príncipe da Broadway", de 2008, e ""Uma Estranha Amizade", de 2012, retratou a relação entre uma jovem de 21 anos e uma idosa de 85.

Seu longa "Tangerine", de 2015, todo filmado com um telefone celular, estourou com a história de duas prostitutas transgênero em Los Angeles.

"Red Rocket" é a estreia de Baker na competição à Palma de Ouro; "Projeto Florida" também foi mostrado primeiro em Cannes, mas na mostra paralela Quinzena dos Realizadores. Pelo filme, Willen Dafoe foi indicado ao Oscar de melhor ator naquele ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos