Em 'Amor de Mãe', Arieta Corrêa diz sentir empatia pela vilã Leila

CRIS VERONEZ

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Já que não deu certo infernizar a vida de Betina (Isis Valverde) para conseguir reatar o antigo casamento com Magno (Juliano Cazarré), Leila (Arieta Corrêa) aposta em nova manobra em "Amor de Mãe" (Globo) para se manter na vida do ex-marido.

Ao denunciar o frentista à polícia por envolvimento no assassinato de Genilson (Paulo Gabriel), Leila vai continuar a colaborar com as autoridades e, dessa forma, permanecerá na casa de Lurdes (Regina Casé) para cuidar da filha, Brenda (Clara Galinari), mantendo a proximidade que tanto deseja.

"Leila não está medindo esforços éticos nem morais para reconquistar a vida que ela tinha [antes de entrar em coma por oito anos, após um acidente de carro]. Ela precisa de uma terapia, pois tem problemas sérios de possessividade e de ciúmes", afirma a intérprete da vilã.

Corrêa ressalta que Leila não ficou com sequelas de memória e que se lembra muito bem de que a relação com o ex-marido já estava adoecida antes de entrar em coma. "Ela ouviu Magno dizendo que queria a separação, enquanto ela dirigia. Foi isso que a fez perder a direção do carro. Ela lembra exatamente de tudo o que aconteceu."

Após despertar do coma, Leila passa por um processo de reabilitação da fala e dos movimentos. A vilã, inclusive, tentou esconder que estava progredindo, mas acabou sendo desmascarada por Magno. "Leila me dá muito trabalho, graças a Deus. O que me chamou atenção no depoimento de muitas pessoas que passaram pela mesma situação dela é que demoraram muito tempo para voltar a falar."

"O tempo da novela é diferente, mas pontuei esse drama. É como se você nascesse de novo e tivesse que reaprender a andar, a falar... Conheci uma pessoa que levou quase seis meses para conseguir falar um pouco", completa.

Adepta da metodologia do diretor teatral Antunes Filho, morto em maio de 2019, Corrêa diz que inovou na hora de compor a personagem. Ela, que costumava usar referências do cinema e da literatura para tecer personagens, resolveu "beber seco na vida" desta vez.

"No final da vida de Antunes, ele ficou na UTI. Então, eu frequentei muito esse ambiente de hospital. Ele não era só um mestre. Era um amigo. Foi muito duro para mim. Eu ia lá, fazia minhas palhaçadas, mas em casa dobrava meus joelhos e pedia para que ele fosse embora. Aquilo foi tão forte para mim e logo que ele morreu eu soube que faria a novela", diz a atriz. 

E foi dessa vivência que Arieta Corrêa colheu elementos para trabalhar em "Amor de Mãe". O público, diz a atriz, fica dividido entre o amor e o ódio quando o assunto são as atitudes da ex-mulher de Magno. "As pessoas gostam da Leila, percebo que têm um brilhinho no olho, mas existe uma raiva também, porque ninguém gosta de mentira."

A atriz diz ainda que procura acompanhar o próprio trabalho na TV e propõe uma reflexão sobre empatia a partir da trajetória da personagem. "Claro que como ser humano eu teria as minhas ressalvas em relação a Leila, mas a gente tem que aprender a se colocar no lugar do outro, porque é muito fácil apontar o dedo. O que será que as pessoas fariam no lugar dela? A partir do momento que consigo realmente me colocar no lugar da Leila, sinto uma pitada de compaixão", afirma a atriz. 

Ela também ressalta sua discordância com as atitudes inescrupulosas da personagem: "Não dá para mentir e passar por cima das pessoas como a Leila faz. Acho importante saber pontuar isso também."

Mãe de Gael, 11, Corrêa diz que "a vida às vezes é vilã", e que é preciso acordar todos os dias e escolher ser uma boa pessoa. "Leila é vítima de uma situação real. Não é frescura. É muito insuportável se colocar nessa situação. Sua vida não existe mais, sua casa não existe mais, suas roupas, talvez alguns membros da sua família tenham morrido, sua filha está grande. É uma situação muito cruel."

MAGNO VAI REATAR COM LEILA APÓS SAIR DA PRISÃO

Os próximos capítulos de "Amor de Mãe" prometem uma reviravolta na vida do núcleo formado por Leila, Magno e Betina.  Na próxima segunda-feira (3), a trama vai dar um salto de seis meses, e uma das primeiras cenas após a passagem do tempo vai mostrar Leila visitando Magno na prisão com Brenda, a filha do casal.

Para o capítulo do dia 6 de fevereiro está prevista a cena em que Magno deixa a prisão. Ele conseguirá provar que Genílson estava estuprando uma mulher e que o acidente aconteceu quando ele tentava impedir o crime.

Livre, o frentista irá procurar Betina, mas a enfermeira não irá aceitá-lo de volta, alegando que não pode tolerar mentiras. Fragilizado, ele acabará cedendo às investidas de Leila -sem imaginar que foi a ex-mulher que o denunciou à polícia--, e eles acabaram se beijando.

Quem ficará decepcionada com esse movimento é Betina. Também está prevista para a próxima semana a cena em que a enfermeira flagra Leila e Magno juntos.