Eletrobrás inicia 2º plano de demissão voluntária do ano; meta é cortar 1.681 funcionários

Brendan McDermid/Reuters

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Plano de demissão tem a meta de desligar 1.681 funcionários até dezembro.

  • Programa é resultado de acordo com representantes sindicais mediado pelo TST e vale também para as subsidiárias da estatal, como Eletronorte e Furnas.

Começou nessa sexta-feira (11) o segundo plano de demissão consensual deste ano na Eletrobrás. O processo tem implementação simultânea na holding e em suas subsidiárias, como Chesf, Eletronuclear, Eletronorte, Eletrosul, Furnas e Amazonas GT.

De acordo com o jornal o Estado de S.Paulo, o objetivo da estatal é conseguir o desligamento de 1.681 empregados até o dia 31 de dezembro deste ano. Mediado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), o acordo com representantes sindicais teve o compromisso da Eletrobrás em oferecer um programa de desligamento para que seu quadro de funcionários tenha 12.500 empregados a partir de janeiro de 2020, e 12.088 efetivos em maio do próximo ano.

Leia também

Passadas essas datas, a empresa fica autorizada a realizar as demissões necessárias para atingir esses números.

Conforme a Eletrobrás, a economia estimada neste novo programa é de R$ 510 milhões por ano, a um custo de cerca de R$ 548 milhões.

Na última quinta (10), o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que enviará ao Congresso o projeto de lei de venda da Eletrobrás ainda este mês. Albuquerque afirmou que o governo tem conversado com as lideranças da Câmara e do Senado e recebido comentários e contribuições.