Eleições nos EUA: Joe Biden garante que vencerá, mas pede paciência aos eleitores

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Democratic presidential candidate former Vice President Joe Biden speaks Thursday, Nov. 5, 2020, in Wilmington, Del. Democratic vice presidential candidate Sen. Kamala Harris, D-Calif., stands at left. (AP Photo/Carolyn Kaster)
O candidato democrata Joe Biden discursa em Wilmington, Delaware, 5 de novembro de 2020. (Foto: AP Photo/Carolyn Kaster)

Enquanto a contagem dos votos para a eleição presidencial dos Estados Unidos avança, o candidato democrata Joe Biden fez um rápido pronunciamento no fim da tarde desta quinta-feira (5). "A democracia às vezes é confusa, precisa de alguma paciência, mas essa paciência é recompensada", afirmou.

"O voto é sagrado. É como as pessoas desta nação expressam sua vontade. E é a vontade dos eleitores, e de ninguém mais, que escolhe o presidente dos Estados Unidos. Então, cada voto precisa ser contado. E é isso que veremos a partir de agora", continuou.

Acompanhe aqui a apuração em tempo real das eleições dos EUA

Apenas seis estados ainda não têm um vencedor. Enquanto Donald Trump aposta na narrativa de desacreditar a contagem dos votos, Biden usa tom mais ameno e já acredita na sua vitória.

"Nós continuamos a nos sentir muito bem de como as coisas estão, não temos dúvida de que seremos declarados vencedores quando a contagem acabar", afirmou.

Leia também

Ele também lembrou que a pandemia de coronavírus está em um dos momentos mais graves do país, que teve mais de 100 mil novos casos registrados na última quarta-feira (4).

Biden tem atualmente 264 votos do Colégio Eleitoral segundo as projeções da AP (Associated Press) e precisa de mais 6 votos para ser eleito. Uma vitória na Pensilvânia, por exemplo, é o suficiente - o estado disse que pode divulgar seus resultados ainda nesta quinta.

Atualmente, Biden está na frente em Nevada (que tem 6 votos), e perde por menos de 1% na Geórgia (16 votos). Também não foram concluídas as projeções para o Alasca, que aponta para vitória de Trump, e da Carolina do Norte, onde o republicano tem pequena vantagem.

com informações da Folhapress