Eduardo Kobra e prefeitura de Boa Vista são alvo de buscas após painel de R$ 400 mil derreter

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Um mural feito por Eduardo Kobra motivou uma operação do Ministério Público de Roraima (MP-RR) em Boa Vista nesta sexta (22). A ação, que recebeu o nome de operação Aquarela, investiga supostas irregularidades praticadas pela prefeitura da capital do estado na contratação do artista.

A pintura de um mural assinado pelo artista derreteu cerca de quatro meses após sua inauguração. A obra tem 180 metros, retrata uma iguana e fica localizada no parque Rio Branco, na orla da cidade .

A advogada de Eduardo Kobra, Roselle Soglio, afirma que o artista não fez nada de errado. Segundo ela, o que fez a pintura derreter foram problemas estruturais da parede que recebeu o mural, que não teria sido tratada da maneira que deveria. Além disso, o alto índice de chuvas na cidade também pode ter influenciado.

Ainda de acordo com ela, apesar de não ter havido erro de sua parte, o artista se disponibilizou para realizar a correção da obra e a situação já foi resolvido. A advogada afirmou ainda que foi surpreendida pela operação do MP-RR.

Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão em Boa Vista, incluindo um na sede da Fundação de Educação, Turismo, Esporte e Cultura (Fetec) da prefeitura. Também foi cumprido um mandado de busca e apreensão em São Paulo.

De acordo com o Ministério Público, são investigadas possíveis fraudes em licitação, peculato e falsidade ideológica. As investigações tiveram início em agosto de 2021.

Segundo a promotoria, Kobra foi contratado pela prefeitura de Boa Vista para a pintura do mural em 2020, pelo valor de R$ 400 mil. O contrato foi realizado sem licitação, com a justificativa de que apenas o artista poderia executar a obra.

A prefeitura de Boa Vista disse ter recebido a operação com surpresa. "O fato causa estranheza e indignação pela espetacularização, considerando o momento político que estamos vivendo, ou seja, é preciso sim apurar os fatos, mas é preciso também ser questionada a verdadeira motivação da operação, com todo o aparato presente no local ligado ao governo do estado", afirmou em nota.

Ainda segundo a prefeitura, todos os documentos requisitados na operação de hoje já haviam sido entregues anteriormente e estão disponíveis para todos os cidadãos no portal da transparência.

O Ministério Público também afirma que a obra não foi executada pessoalmente por Kobra. Esta seria uma das justificativas para a dispensa de licitação, por se tratar de um artista renomado.

Segundo Soglio, o artista criou a obra, mas a execução foi feita por outras pessoas da sua equipe. "A gente estava no começo de uma pandemia. Não é que o Kobra não executou. Ele fez tudo, o desenho é dele, o quadriculado é dele, tudo é dele", afirma.

De acordo com ela, a prefeitura de Boa Vista sabia desse arranjo desde o princípio e tudo estava acordado em contrato.

A ação foi realizada pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público do MPRR e contou com apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), da Polícia Civil, e da Segurança Institucional do Ministério Público.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos