Eduardo Costa vai à Justiça por venda de casa frustrada; ex-jogador nega compra

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O cantor Eduardo Costa, 42, acionou a Justiça de Minas Gerais para cobrar multa no valor de R$ 1 milhão por um descumprimento contratual ocasionado após a tentativa de vender sua mansão por R$ 10 milhões, no bairro Bandeirantes em Belo Horizonte.

O processo é movido contra o ex-jogador de futebol e comentarista esportivo e ex-jogador Fábio Júnior Pereira, 43, que nega ter comprado o imóvel. "Ano passado tivemos um desacerto comercial", explica o comentarista, "e não foi possível dar procedimento [à compra]".

Pereira afirma que nunca teve posse da casa, e nunca esteve no imóvel. "Nunca peguei o imóvel, simplesmente estávamos negociando", afirma ele que ainda diz que os valores da negociação eram diferentes dos que constam no processo.

"Existiu a negociação, assinamos o contato e meus advogados olharam e viram várias situações que não condiziam com o que estavam me passando, com problemas que poderiam me prejudicar no futuro", continua. "Eu simplesmente não quis dar prosseguimento no negócio."

Pereira nega que tenha deixado de pagar algo, "eu nem tinha que pagar, não ia dar seguimento no negócio". O ex-jogador, que teve passagem por times como Cruzeiro, Palmeiras, Roma e Atlético Mineiro, ainda não foi citado no processo, por isso não teve que apresentar defesa.

O Fórum de Belo Horizonte informou ao F5 que após a citação, será marcada uma audiência de tentativa de conciliação. "A ação de rescisão contratual com pagamento de multa de R$ 1 milhão foi proposta em dezembro de 2020. O processo está regular e o juiz determinou a citação do réu para apresentar sua contestação."

A ação tramita na 21ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte, e Costa apresenta um instrumento de compromisso de venda e compra de um imóvel que não teria sido cumprido pelo comentarista. O contrato da venda da propriedade teria sido assinado em 30 de julho do ano passado.

"Nunca entrei no imóvel, tive posse ou chave. O imóvel sempre ficou com ele [Eduardo Costa], da mesma forma. Nem chegamos a trocar nada, desisti logo no início do negócio", completou o comentarista esportivo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos