É melhor esperar quanto tempo após a separação antes de começar outro relacionamento?

Anna Swoboda compartilha as três bandeiras vermelhas a serem observadas ao namorar alguém que se divorciou. (Foto: Divulgação)
Anna Swoboda compartilha as três bandeiras vermelhas a serem observadas ao namorar alguém que se divorciou. (Foto: Divulgação)

Anna Swoboda é uma coach de relacionamentos certificada, além de casamenteira. Sua missão é ajudar as pessoas que não namoram há algum tempo a se sentirem confiantes e capazes de encontrar alguém especial.

Pergunta: existem sinais de alerta ao namorar alguém que se divorciou ou está se divorciando? É melhor esperar quanto tempo após a separação antes de namorar?

Ao namorar alguém nessa situação, faça a seguinte pergunta: a pessoa está pronta para outro relacionamento sério?

As pessoas são diferentes, não há regras rígidas e determinadas, como o tempo desde a separação ou a espera até que o processo de divórcio seja concluído.

Preste atenção nestes três sinais de alerta:

1) Essas pessoas seguiram em frente emocionalmente, passaram pelo luto e superaram a relação? Preste muita atenção em como as pessoas falam sobre o(a) ex. Se for de maneira muito negativa ou muito positiva, é provável que ainda não tenham exorcizado o(a) ex-parceiro(a)!

É melhor esperar quanto tempo após a separação para namorar? (Foto: Getty Creative)
É melhor esperar quanto tempo após a separação para namorar? (Foto: Getty Creative)

2) Será que elas precisam de tempo para satisfazer alguns desejos sexuais reprimidos? Nem todo mundo precisa disso depois de um longo relacionamento, mas muitas pessoas, sim. Você é um amor passageiro? Elas vão acordar daqui a seis meses com a sensação de que não estão preparadas para um relacionamento? Muita gente acha que sim, mas na prática é diferente. Cuidado com o olhar vago. Tenha uma conversa sincera. Quanto mais cedo descobrir determinadas coisas, melhor.

3) As lições foram aprendidas? Os segundos casamentos costumar ser menos bem-sucedidos que os primeiros porque as pessoas cometem os mesmos erros. Elas reconhecem sua parcela de culpa no rompimento? Fizeram algum esforço pessoal ou procuraram aconselhamento? Têm uma noção ponderada do que deu errado e do que podem fazer diferente? Às vezes, as pessoas precisam de um tempo sozinhas para refletir sobre tudo isso.