Dupla é presa por aplicar silicone industrial em mulheres

Silicone industrial não é indicado para fins estéticos. Foto: Pixabay

Duas mulheres foram presas pela Polícia Civil de Minas Gerais no dia 20 de dezembro por estarem fazendo aplicação de silicone industrial no corpo de algumas clientes. Como é mais barato, o produto é bastante usado por esteticistas, mesmo não sendo o indicado para uso estético. 

O silicone industrial é recomendado, por exemplo, para limpeza de carros e vedação de vidros. Injetar esse tipo de produto no corpo de outras pessoas é considerado crime, assim como a venda sem registro da Vigilância Sanitária.

O uso desse tipo de produto pode causar infecções e até necroses. Além disso, o silicone industrial pode andar para outras partes do corpo da pessoa e resultar em deformidades e cicatrizes. Sendo assim, as mulheres que buscavam um corpo mais bonito podem acabar com imperfeições.

Leia também:

A esteticista Amanda Juliana Fernandes França, de 41 anos, e a empresária Dayse Viviane Martins Lopes, de 34 anos foram presas em flagrante no momento em que faziam esse tipo de aplicação no glúteo de uma mulher.

Tudo aconteceu dentro de um salão de beleza, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Os procedimentos feitos pela dupla eram agendados por meio de um grupo chamado “filhas do bumbum” em um aplicativo de mensagens.

Dayse era a pessoa responsável por fazer os agendamentos e Amanda, que é do Rio de Janeiro, ia uma vez por mês para Minas Gerais para poder realizar as aplicações do produto. De acordo com as investigações, as vítimas pagavam cerca de R$ 4 mil por cada aplicação.

No local, foram apreendidos material cirúrgico, seringas, ampolas, anestésicos e vários antibióticos. Mesmo tendo sido montado um verdadeiro centro cirúrgico no local, esse tipo de substância não pode ser aplicada no corpo humano. Nem um médico poderia fazer esse tipo de procedimento.