Dono de restaurantes em São Luís (MA) amarra a carro e mata morador de rua após roubo de quentinhas

·2 minuto de leitura
Homem é preso por arrastar e matar morador de rua em São Luís (MA) - Foto: Divulgação/PM/Reprodução UOL
Homem é preso por arrastar e matar morador de rua em São Luís (MA) - Foto: Divulgação/PM/Reprodução UOL

Um homem foi preso suspeito de ter assassinado um morador de rua em São Luís, capital do Maranhão. A vítima teria sido amarrada em um veículo e arrastada por cerca de 1km pelas ruas do centro da cidade. As informações são do UOL.

O suspeito é dono de um restaurante da cidade. Segundo a Polícia Civil, a motivação do crime seria que a vítima teria furtado por várias vezes quentinhas do local. Além do dono estabelecimento, um vigilante também foi preso.

Leia também

Ainda conforme a investigação da polícia, o crime ocorreu em maio deste ano, mas as imagens foram divulgadas apenas nesta quarta-feira (28) com a prisão do empresário.

Imagens de câmera de segurança mostram a vítima, identificada como Carlos Albertos Santos - amarrada a traseira do veículo. Na gravação é possível ver o motorista dando ré e passando por cima da vítima.

"O corpo foi encontrado bastante machucado e com sinais de que foi arrastado. As imagens falam por si, o rapaz estava sofrendo, se debatendo e o motorista, com muita frieza, tranquilamente bebe água, e segue com o corpo por um percurso de 1 km. É um crime bárbaro com requinte de crueldade", disse o delegado Felipe César Mendonça ao UOL.

Os nomes dos presos não foram divulgados pela polícia. Ainda conforme a polícia, a família da vítima reconheceu o corpo do morador de rua e revelou que ele era usuário de droga.

A Polícia confirma ainda que o empresário fugiu depois do crime, mas foi localizado nesta quarta em uma oficina mecânica com o mesmo veículo do crime. Ele é proprietário de três restaurantes e vai responder pelos crimes de tortura e homicídio.

"Informalmente para a Polícia ele confessou o crime, mas ao ser questionado no inquérito, ele resolveu ficar em silêncio", confirmou o delegado ao UOL.