Doação de sangue por cães e gatos ocorre neste sábado, em São Paulo

Redação
(Foto: Getty Images)

Você já ouviu falar em doação de sangue canino? A captação de bolsas para atender animais doentes ou que passam por cirurgia é uma prática ainda pouco difundida, mas muito importante para salvar aqueles que mais precisam.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!


Normalmente, os tutores só passam a conhecer o serviço quando o pet precisa receber sangue por causa de algum acidente, doença ou cirurgia de alta complexidade. Um doador de sangue canino pode salvar até quatro vidas em uma única doação e um doador felino pode salvar até duas vidas.

Leia também


Cinthia Ugliara, veterinária da Petland e redes Dra. Mei, lembra que existem vários bancos de sangue no Brasil. “Podemos encontrá-los em universidades, hospitais e laboratórios veterinários, mas os estoques são baixíssimos", afirma.

No sábado, 15, haverá uma ação de coleta de sangue de cães promovido pela Sanimvet - Banco de Sangue Veterinário, das 10h às 16h, em São Paulo. A veterinária Cinthya Ugliara lembra que os cães possuem mais de 13 tipos sanguíneos, o que inviabiliza a tipagem sanguínea. Por isso, antes da transfusão é feito um teste de compatibilidade entre o sangue da bolsa e o cãozinho que precisa receber a doação.


Já nos gatos se faz a tipagem sanguínea, pois eles têm apenas três tipos (A, B e AB). "A tipagem sanguínea e o teste de compatibilidade são essenciais para que a transfusão ocorra com o máximo de segurança, evitando uma reação de destruição das hemácias ou até morte do pet por incompatibilidade", explica a especialista.


Sobre a segurança no processo de doação de sangue pelos pets, Cinthya Ugliara garante: "A doação de sangue é um procedimento tranquilo e seguro para o pet doador. Não dói, não precisa de sedação e dura apenas 15 minutos”.

Quais cachorros podem doar sangue

Para ser um doador, o cão deve ter entre um e sete anos, ser dócil, pesar no mínimo 25 quilos, estar com vacinação, vermifugação e controle de pulgas e carrapatos em dia, não ter nenhuma doença pré-existente, não ser obeso, não fazer uso de nenhum medicamento de forma continuada, não ter realizado nenhuma cirurgia nos últimos dois meses.


Também é importante que o animal nunca tenha recebido transfusão de sangue e no caso das fêmeas não estar prenha ou lactante. Os cães doadores também fazem hemograma, função renal, erlichiose, dirofilariose, lyme, leishmaniose e brucelose

Os gatos também doam sangue

Para os gatos, os pré-requisitos são os mesmos dos cães, como ter entre um e sete anos de idade, e os doadores devem pesar no mínimo quatro quilos.
Não há nenhuma restrição para animais castrados.
Para os gatos doadores são realizados exames de hemograma, função renal, leucemia felina, imunodeficiência e mycoplasma.

Ao contrário do ser humano, o cão ou gato doador não precisa estar em jejum e não há necessidade de nenhum preparo para a doação. Também existem vantagens em tornar o pet doador de sangue. "Os pets recebem gratuitamente, a cada doação, um exame físico realizado pelo veterinário responsável pela coleta, além de exames laboratoriais”, afirma a veterinária Cinthya Ugliara.

Serviço:
Doação de sangue canino

Quando: Sábado, 15 de junho.
Horário: Das 10h às 16h.
Endereço: Av. Paes de Barros, 342.