DJ Rennan da Penha participa da reta final de 'Bom Sucesso'

DJ Rennan da Penha participa de 'Bom Sucesso' (Foto: Fabricio Battaglin/Gshow)

Bom Sucesso’ chega na sua última semana e os capítulos da reta final terão participações especiais. Um deles é o DJ Rennan da Penha, que vai aparecer na novela das 19h nesta segunda-feira (20).

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

A família Silva vai ao lançamento do livro de Alice (Bruna Inocencio) de trem e Luan (Igor Fernandez) decide fazer uma rima em homenagem à ex-namorada.

Leia também

“Ela sonha alto, ela conhece a fonte e com a sua escrita, Alice vai bem longe. Tem muito talento e sem contar com a sorte. Pra seguir em frente e acreditar que pode. É o nosso orgulho. É da Zona norte. Virou escritora. Essa mina é forte”, canta Luan durante o caminho.

O que ele não espera era encontrar Rennan, que está no mesmo vagão que ele e reconhece seu talento. “Aqui meu cartão. Entra em contato comigo. Vamos fazer alguma coisa juntos! Rennan da Penha e Luan de Bonsucesso”, diz o DJ carioca.

Luan (Igor Fernandez) canta em homenagem à Alice (Bruna Inocencio) (Foto: Fabricio Battaglin/Gshow)

Relembre a prisão de Rennan da Penha

Um dos principais nomes do funk 150 BPM e idealizador do Baile da Gaiola, Renan Santos da Silva foi absolvido em primeira instância e condenado em segunda instância a mais de seis anos de prisão em regime fechado por associação ao tráfico. Ele foi preso em abril de 2019 e solto em novembro do mesmo ano após o Supremo Tribunal Federal (STF) barrar a prisão após condenação em segunda instância em julgamento.

O desembargador Antônio Carlos Nascimento Amado, da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), aponta em acórdão que o DJ atuava como “olheiro” do tráfico, além de organizar bailes e produzir músicas que enalteciam traficantes.

Na época, a OAB do Rio de Janeiro, por meio de sua Comissão de Defesa do Estado Democrático de Direito (CDEDD), repudiou a prisão de Rennan da Penha em nota. “A OAB/RJ manifesta preocupação e repúdio ao uso do sistema de justiça criminal contra setores marginalizados da sociedade com a finalidade de reproduzir uma ideologia dominante em detrimento da cultura popular”, declara.