DJ Ivis agrediu Pamella Holanda, e achou que podia explicar o inexplicável

·4 minuto de leitura
DJ Ivis e a cultura machista que normaliza a agressão contra mulher (Foto: Reprodução/Instagram@djivis)
DJ Ivis e a cultura machista que normaliza a agressão contra mulher (Foto: Reprodução/Instagram@djivis)

A essa altura você já ficou sabendo do que aconteceu, mas se ainda não sabe, eu explico: DJ Ivis (Iverson de Souza Araújo), um artista famoso do momento, agrediu a ex-mulher Pamella Holanda. No último domingo (11), os vídeos foram divulgadas por Pamella em suas redes sociais. As imagens são assustadoras e revoltantes, Ivis bate em Pamella na frente da filha recém-nascida, e claramente não tinha nenhum pudor em agredir na frente das pessoas que frequentavam a casa. DJ Ivis, o "diferente dos iguais", tentou explicar o inexplicável.

Fez diversos stories tentando explicar a situação, alegando que eles estavam com problemas no casamento, e outros argumentos sem qualquer sentido, que mostram ainda violência psicológica e falta de tato com uma mulher em puro puerpério. Contra fatos não há argumentos, não há o que explicar, o que há são provas claras, filmadas e suficientes. Mas o que aconteceu a seguir foi o puro suco de uma sociedade machista: Ivis começou a fechar os comentários, no primeiro momento liberando comentários apenas dos seguidores. Resultado: ele ganhou mais de 200 mil seguidores em menos de oito horas.

Leia também:

E supostamente as pessoas estariam seguindo para xingar Ivis nas suas fotos. Mas há relatos que não houve tanta reação assim, muito provavelmente porque o DJ fechou completamente os comentários em seguida. Se isso se confirma ou não, o fato é que ele ganhou seguidores. Nesses momentos percebemos que o engajamento não é necessariamente de boas produções, mas podem vir de crimes também, e isso é preocupante. O fato, que todos nós concordamos, é que DJ Ivis é um agressor, criminoso e terá que pagar pelo que fez.

Pamella não terá sua paz devolvida, na verdade, é bem provável que os próximos dias dela sejam ainda piores, com toda sorte de julgamento de pessoas machistas, dizendo "provavelmente ela deve ter feito algo para provocar o cara"; "Olha aí, precisava acabar com a carreira do Ivis?"; "Por que não denunciou antes?" e toda sorte de imbecilidades, machismo e misoginia. Sim, ele precisa pagar e as pessoas precisam saber quem é e o nome dele. E não existe justificativa para a agressão.

Quando você é homem, mesmo com vídeo mostrando a sua cara e agressão, as pessoas vão te procurar para ouvir sua versão, privilégio masculino escancarado e na prática. Mas eu queria apontar algo muito importante e pouco falado, o segundo homem que aparece no vídeo. DJ Ivis bate em Pamella e o homem fica olhando, nem sequer se oferece para defendê-la. Particularmente me revolta tanto quanto ver Ivis bater nela, esse sujeito olhando sem fazer nada. Esse é outro privilégio masculino: a camaradagem.

Briga de marido e mulher, a gente salva a mulher

Homens apoiam outros homens, e é isso que sustenta a estrutura machista. A maldita regra "em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher" ainda é uma lei vigente. E isso acontece a todo momento, sempre, desde as situações no trabalho, em que os homens escutam mais outros homens e ignoram as mulheres, o silêncio do grupo de amigos com o amigo abusador, onde todo mundo está vendo, mas ninguém fala nada. Da risada da piada machista que degrada outras existências, a violências como essas.

E não existe justificativa para a agressão

O sujeito é capaz de ver uma mulher sendo espancada e ficar olhando, não tenta parar Ivis, não tenta defender Pamella. Não se engane, esse sujeito é cúmplice dessa violência, não existe posição neutra, a agressão dele não é física, é estrutural e psicológica, ele apenas olha para Pamella, lembrando a ela que certamente não poderia contar com ele, muito pelo contrário. Sua responsabilidade foi fazer o trabalho essencial, a base do machismo: a manutenção dele. Definitivamente podemos aprender algo com isso.

Quando não nos posicionamos, enquanto homens, seremos cúmplices, seja lá o que for. Sabe aquela frase "todo homem é machista"? Ela dá conta de explicar exatamente isso, o machismo é uma tecnologia de opressão social, todos os homens são criados nessa lógica, e todos nós aprendemos a oprimir, fingir que não estamos ouvindo, ou vendo. Muitos homens relatam ser difícil esse movimento de se posicionar, porque não querem perder os amigos. Eu te pergunto: porque você iria querer um agressor como amigo?

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Você vai ser "chato" sim, você vai perder amigos sim, e vai meter a colher em relacionamento alheio sim, é uma mulher sendo agredida! Seja psicologicamente, fisicamente, você precisa se envolver, denunciar, fazer o que for possível, mas jamais olhar e não fazer nada. Isso não vale só para agressões, mas para toda e qualquer forma de machismo. Mais uma mulher foi agredida, e ela não será a última, infelizmente. E o nosso papel para que isso acabe, é, em parte, acabar com o silêncio e a omissão, se posicionar é URGENTE.

Importante ressaltar que é possível denunciar casos de violência contra a mulher de forma anônima através do número 180.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos