DJ Bárbara Labres comenta relação com Neymar e elogia: "Rapaz simples, acessível"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neymar e a DJ Bárbara Labres. Foto: reprodução/Instagram/barbara.labres
Neymar e a DJ Bárbara Labres. Foto: reprodução/Instagram/barbara.labres

O que acontece quando um dos jogadores de futebol mais festejados do mundo surge ouvindo uma de suas músicas? Bastou um vídeo de Neymar curtindo “Hoje é Rave” para a criação da DJ Bárbara Labres se popularizar.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

“Muitas pessoas estão publicando vídeos com meu som e estão me marcando. ‘Hoje é rave’ ficou conhecida como a música da sorte”, contou a gaúcha à revista “Ela”, do jornal “O Globo”.

Leia também:

À publicação, a DJ de 26 anos falou da relação com o craque do Paris Saint-Germain, que conheceu numa balada no Rio de Janeiro há cinco anos. Com amigos em comum, a conversa surgiu naturalmente.

“Ele perguntou meu nome, o que eu fazia, e a conversa foi rolando. Foi algo muito natural. É um rapaz simples, acessível, um amigo como qualquer outro. Neymar fez a divulgação da música porque quis. Nunca pedi nada a ele”, explicou.

Segundo Bárbara, a publicidade espontânea foi uma injeção de ânimo em plena pandemia, quando sua agenda de shows foi interrompida bruscamente. “Vi que estava no caminho certo e que estava sendo reconhecida por meu trabalho. Fiquei realmente inspirada”, afirmou.

A DJ já namorou Bianca Andrade, a Boca Rosa, e gravou música em parceria com a ex-BBB Flayslane. Na entrevista, ela falou sobre o preconceito que enfrentou desde que resolveu trancar a faculdade de Educação Física, há nove anos, para se dedicar exclusivamente à música.

“Não foi uma estrada fácil. Além de ser mulher num ambiente dominado por homens até bem recentemente, ainda tocava funk. Meus colegas diziam que isso não era música e questionam a razão de eu não tocar eletrônico. Com meu crescimento no mercado, muitas mulheres notaram que era possível chegar lá. Fico feliz em saber que inspiro alguém”, disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos