Diretora Tonie Marshall morre aos 68 anos

Tonie Marshall, em 21 de setembro de 2017 em Paris

A diretora Tonie Marshall, a única mulher a receber o prêmio César de melhor direção por "Vénus Beauté (Institut)" em 2000, faleceu nesta quinta-feira (12), aos 68 anos - anunciou à AFP sua agente Elisabeth Tanner.

Tonie Marshall morreu "esta manhã em decorrência de uma longa doença", disse Elisabeth Tanner.

Filha da atriz francesa Micheline Presle e do ator, diretor e produtor americano William Marshall, Tonie iniciou sua carreira como atriz em 1972 em "L'Événement le plus important depuis que l'homme a marché sur la Lune", de Jacques Demy.

Ela passou à direção em 1990 com "Pentimento", antes de uma dúzia de longas-metragens, incluindo "Vénus beauté (institut)", com Nathalie Baye e Audrey Tautou, seu filme mais famoso.

Em seguida, vieram "Muito Perto do Paraíso", com Catherine Deneuve e William Hurt; "France Boutique", com Karin Viard e François Cluzet; e "A Número Um", com Emmanuelle Devos em 2017, seu último filme.

"Tonie lutou e Tonie acaba de partir. Na vida, como em seus filmes, ela nos comoveu muitas vezes, nos fez sorrir lindamente, ela sempre nos seduziu. Tonie era forte e atenciosa, comprometida e delicada", reagiu no Twitter o presidente do Festival de Cannes, Pierre Lescure.

Para seu antecessor à frente do Festival, Gilles Jacob, "ela era animada, alegre, calorosa, louca por cinema e pela vida. Uma pessoa bela e boa".

Engajada, membro do coletivo 50/50 em favor da igualdade entre homens e mulheres no cinema, a diretora franco-americana participou da iniciativa de usar uma fita branca durante a cerimônia dos prêmios César em 2018 para lutar contra violência contra as mulheres, em associação com a Women's Foundation.

"Estamos muito tristes em saber da morte de Tonie Marshall, uma de nossas primeiras embaixadoras que se comprometeram conosco no #MaintenantOnAgit. Perdemos uma grande dama hoje", reagiu a Women's Foundation.

A secretária de Estado para a Igualdade de Gênero, Marlène Schiappa, também expressou sua "tristeza pelo anúncio da morte da talentosa e generosa Tonie Marshall".

Para a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, "Tonie Marshall nos deixa com um feminismo íntimo, cáustico e mais relevante do que nunca".