Cineasta diz que é Ezra Miller é "simpático" e "precisa de uma intervenção séria"

Ezra Miller na premiere mundial no
Ezra Miller na premiere mundial no "Oito Mulheres e um Segredo" no Lincoln Center em junho de 2018 em Nova York. (Foto: Taylor Hill/Getty Images)

Nos últimos meses, Ezra Miller se envolveu em diversas polêmicas e quase perdeu o papel de Barry Allen da DC nos cinemas. No entanto, a diretora Mary Harron revelou que não tem motivos para reclamar de sua experiência trabalhando com Ezra.

A cineasta dirigiu "Dalíland", filme que conta com Miller no papel principal, e garantiu a "Variety" que nenhuma participação será removida do projeto, já que “nada de ruim” aconteceu nos bastidores das filmagens.

A cineasta afirmou que desde que começou a trabalhar no projeto, tinha Ezra em mente para interpretar a versão mais jovem do renomado Salvador Dalí. Na história, o ator Ben Kingsley dá vida ao pintor em uma idade mais avançada.

“Poderia ter sido diferente, especialmente se estivéssemos filmando, se houvesse um mau comportamento durante as gravações. Mas tudo isso aconteceu depois que o filme foi filmado, editado e mixado. Nada de ruim aconteceu durante nossas filmagens”, contou ao site norte-americano.

Ela reforça que não está concordando com as atitudes de Ezra, mas reforçou que nenhuma atitude imprópria foi cometida. “Se faz algo errado, têm que encarar. Eu também não acho que este seja o caso de uma jovem estrela querendo aparecer. Isso é muito mais sério. Isso parece algo que precisa de uma intervenção séria, o que espero que tenha acontecido”, afirmou.

Ela elogiou a atuação de Miller, que considera uma pessoa “muito profissional e simpática" com todos os integrantes da equipe. “Não houve problemas no set”, garantiu Harron em entrevista à "Vanity Fair".

“Foi muito perturbador e terrível ler o que aconteceu depois. Ler essas coisas foi muito triste para todos os envolvidos. Espero que esteja recebendo ajuda para o que parece ser uma coisa muito, muito séria", completou.

"Dalíland" é escrito por John Walsh e situado na década de 1970. A trama acompanha os últimos anos do casamento de Salvador Dalí com Gala Éluard. O filme chega aos cinemas no dia 17 de setembro.