Diplo é alvo de novas acusações de violência sexual e poderá sofrer processo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O DJ e produtor musical norte-americano Thomas Wesley Pentz, 42, mais conhecido como Diplo, foi acusado de ter estuprado uma mulher e ter conscientemente passado para ela clamídia, uma doença sexualmente transmissível. Com isso, ele poderá enfrentar um processo judicial.

A mulher ainda acusou o DJ de gravar vídeos explícitos de relações sexuais sem a sua permissão e ter compartilhado os registros com ao menos uma pessoa, sem seu consentimento. Segundo o site Buzzfeed, a mulher tem 25 anos e fez a denúncia no Departamento de Polícia de Los Angeles.

"Estamos revisando a acusação e por enquanto não temos comentários", afirmou o porta-voz do procurador da cidade de Los Angeles, Rob Wilcox. O Gabinete do Procurador estaria considerando os crimes de invasão de privacidade e transmissão de DST intencionalmente.

A mulher apresentou a queixa em outubro de 2020, e não foi identificada por questões de privacidade. Ela também alegou à polícia de Los Angeles que o estupro teria ocorrido em seu quarto de hotel em Las Vegas, após um dos shows do DJ.

Ao site Page Six, o advogado de Diplo enviou uma nota negando as acusações e afirmando que são "mais mentiras da mesma pessoa perturbada que vem perseguindo e ameaçando Wes, sua família e seus amigos há anos".

"Como se sabe, essa pessoa tentou extorqui-lo em milhões de dólares e, depois que ele se recusou a pagar um centavo a ela, lançou uma campanha incessante de assédio contra meu cliente", continuou o advogado Bryan Freedman.

"Ela tem espalhado suas mentiras pelo país em uma tentativa desesperada de prejudicar Diplo e aqueles que ele ama, mas não terá sucesso", finalizou. O músico também moveu uma ação judicial contra a suposta vítima, e anteriormente obteve uma medida cautelar temporária contra ela.

O DJ a processou por perseguição, invasão e distribuição de materiais privados. No entanto, essa não é a primeira vez que o DJ do grupo Major Lazer recebe acusações de violência sexual. Em julho deste ano, ele foi acusado de forçar uma mulher bêbada a fazer sexo oral e filmar o encontro.

Na época, Freedman considerou que as alegações eram uma "extorsão". A mulher deste caso também não havia sido identificada e posteriormente desistiu do processo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos