Dinho Ouro Preto diz se arrepender de ter apoiado a Lava Jato e Sergio Moro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 11.07.2022 - Retrato de Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 11.07.2022 - Retrato de Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dinho Ouro Preto não se furta de discutir política ao receber a reportagem em sua casa, em São Paulo, para apresentar o retorno aos palcos do Capital Inicial para uma turnê em comemoração aos quarenta anos do grupo. Política, afinal, está na gênese da banda, criada a partir da dissolução do Aborto Elétrico, da qual fazia parte Renato Russo.

Durante a entrevista, Dinho Ouro Preto diz que se arrepende de ter apoiado a Lava Jato e o ex-juiz Sergio Moro, que, depois de ter cogitado disputar a presidência e o governo do estado, agora quer concorrer a uma vaga no Senado pelo Paraná.

O vocalista relembra que, cerca de dois meses antes da concretização do impeachment de Dilma Rousseff, o Capital Inicial se apresentava em Curitiba quando ele decidiu dedicar "Que País É Este" a Moro, que, do camarote, foi ovacionado pela plateia.

"Mordi minha língua", ele diz. "Eu via a Lava Jato como uma operação independente, que alcançaria todos os políticos, mas virou perseguição ao PT. Mais tarde, o cara ainda virou ministro da Justiça justamente da pessoa beneficiada pela Lava Jato. Não houve isenção, e eu me oponho à falta de isenção."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos