Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, critica Bolsonaro e revela decepções com Lula

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 11.07.2022 - Retrato de Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 11.07.2022 - Retrato de Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dinho Ouro Preto não se furta de discutir política e as eleições de 2022 ao receber a reportagem em sua casa, no bairro paulistano dos Jardins, para apresentar as comemorações de 40 anos do Capital Inicial, grupo que tem em sua gênese composições politizadas, como "Que País É Este" e "Veraneio Vascaína", escritas por Renato Russo antes da dissolução do Aborto Elétrico.

À Folha o vocalista afirma que, embora tenha votado em Fernando Haddad no pleito passado, suas ressalvas ao Partido dos Trabalhadores, o PT, não deixaram de existir e até se acentuaram desde então, entre elas a "aproximação com Cuba e Venezuela", países que vivem sob ditaduras de esquerda, e o "culto à personalidade" de Lula.

Mas, se se antes ele preferia dedicar "Que País É Este" tanto a políticos de esquerda quanto de direita, detonando de uma só vez tanto Aécio Neves e Michel Temer quanto Dilma Roussef, como fez no Rock in Rio de cinco anos atrás, hoje suas críticas têm um direcionamento mais específico --o presidente Jair Bolsonaro, do PL.

"As músicas do Capital Inicial não são partidárias, mas eu tomo mais partido do 'fora, Bolsonaro'. Olho para a Esplanada dos Ministérios e discordo de tudo que tem sido feito. Inflação, recessão, desemprego, fome. Qual é o legado positivo desse homem?", pergunta. "É importante que haja alternância de poder, mesmo que em algum momento a direita vá comandar o Brasil. Meu problema são os caras que querem dinamitar as instituições e acabar com a democracia."

Filho de um cientista político e de uma historiadora, Dinho, que define sua orientação política como de centro-esquerda, ainda discutiu em entrevista a este jornal seu arrependimento de ter apoiado a Lava Jato e Sergio Moro e por que Marina Silva, que acaba de se lançar candidata a deputada federal por São Paulo, terá seu voto em outubro.

Para a celebração de 40 anos do Capital Inicial, o grupo lança cinco músicas inéditas, além de um disco e um DVD com regravações de clássicos ao lado de figuras que acompanharam tanto o passado quanto o presente de sua trajetória, como Pitty e Marina Sena.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos