Dinamarca vai desenterrar e queimar visons sacrificados por covid-19

·2 minuto de leitura
Visons mortos em criadouro perto de Naestved (Dinamarca), em 6 de novembro de 2020

O governo dinamarquês disse, nesta sexta-feira (27), que está disposto a exumar e queimar os cadáveres de milhões de visons enterrados às pressas, após serem sacrificados como parte da luta contra a covid-19.

Milhões desses animais foram mortos, porque poderiam ser a causa de uma mutação do novo coronavírus potencialmente problemática para humanos.

Em seguida, foram enterrados, em sua maioria, em fossas comuns. 

"Tive vontade de me livrar dos visons e queimá-los desde o primeiro dia em que ouvi falar do assunto", disse o novo ministro da Agricultura, Rasmus Prehn, à televisão pública TV2, adotando a postura da maioria dos partidos do Parlamento.

Os políticos temem que a decomposição das carcaças dos animais provoque contaminação, por fósforo e o nitrogênio, e exigem que sejam desenterradas e destruídas de outras formas - entre elas, sendo incinerados.

Os gases emitidos na decomposição podem, por exemplo, contaminar a água potável e a água para banho.

No início de novembro, a Dinamarca anunciou o sacrifício de seus mais de 15 milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus através desses mamíferos mustelídeos. Segundo estudos preliminares, a mutação poderia ameaçar a eficácia da futura vacina para humanos.

Duas semanas depois de dar o alarme - e em meio a uma crise política ligada à falta de base legal para a decisão de massacrá-los, que levou à renúncia do ministro da Agricultura -, o governo chegou à conclusão de que esta possível ameaça às vacinas "muito provavelmente havia se extinguido", pois nenhum novo caso havia sido detectado.

Em Holstebro, no oeste do país, os cadáveres de uma vala comum improvisada em um terreno militar ressurgiram, destacando as condições em que os animais sacrificados foram enterrados em áreas de risco (contaminadas, ou adjacentes a animais contaminados).

Também se constatou que foram enterrados a 200 metros de um lago, 100 metros a menos do que o recomendado. 

O ministro da Agricultura alertou que qualquer decisão final sobre a incineração do vison poderá ser tomada apenas com a aprovação da agência ambiental.

De acordo com o último balanço, mais de 10 milhões de visons foram abatidos.

cbw/ia/pc/eg/tt