É realmente difícil namorar na era dos aplicativos de encontros?

Eu realmente não queria ter que namorar na era dos aplicativos de encontros

Por Athena Sobhan

"Namorar é difícil" é algo que ouço o tempo todo. E eu entendo. Conhecer uma pessoa nova, tentar passar da fase de conversa fiada e esperar que consiga realizar uma conexão pode ser algo extremamente assustador. Mas nós fazemos isso para encontrar aquela pessoa especial - aquela com quem devemos estar e que faz com que queiramos nos tornar uma pessoa melhor. Então todas os outros passos - o começo estranho, o deslizar do dedo para a esquerda e para a direita na tela, os encontros ruins - valem a pena, certo?

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Teoricamente, os aplicativos de encontro parecem ser a solução perfeita para ajudar não apenas a encontrar o seu parceiro, mas também encontrar o parceiro "perfeito". Você pode escolher qualidades físicas e valores que você procura em alguém e deslizar o dedo na tela até encontrá-lo. No entanto, acho que tais aplicativos tornaram ainda mais difícil encontrar alguém, quanto mais namorar alguém.

Leia também

Sim, os aplicativos dão muitas opções para você escolher, e permite que você analise uma pessoa antes de realmente ter que sair com ela, mas, às vezes, ter muitas escolhas pode ser ruim. Eu pessoalmente fico entediada com as pessoas com quem eu dou match e vice-versa. É fácil dar match com muitas pessoas e começar a conversar, mas é ainda mais fácil seguir deslizando em busca da “melhor” opção do que focar em uma pessoa.

O primeiro encontro que eu tive foi com um cara que conheci no OkCupid, e achei que foi muito bom, para um primeiro date. Conversamos por quase três horas, flertando um com o outro. Eu não me importei que ele não tivesse me beijado no final, e comecei a achar que os aplicativos de encontro talvez não fossem tão ruins quanto eu pensava. Até que ele desfez o match e sumiu, sem dar explicação. Ele realmente abalou a minha autoestima por um tempo, mas eu finalmente percebi que isso fazia parte da vida de encontros na era dos aplicativos.

Podemos estar com alguém muito legal agora, mas a possibilidade de que alguém melhor possa estar lá fora, esperando por nós, pode ser emocionante para algumas pessoas. Mas isso é prejudicial a longo prazo. Ninguém deve se contentar com a vida como ela é, mas ficar sempre procurando por algo a mais pode fazer você perder algo (ou alguém) que está bem na sua frente.

Eu penso muito sobre o fato de eu ter quase 24 anos de idade e só ter ido àquele encontro. Isso me deixa com medo de estar destinada a ficar sozinha. Quando era adolescente, eu nunca fui a garota que os meninos chamavam para sair. Eles me pediam para ajudá-los a chamar as minhas amigas para sair e era isso. Eu sempre pensei que eu iria começar a namorar na faculdade e conhecer o amor da minha vida, como aconteceu com os meus pais.

Fui criada para ser independente e me sentir bem, sem precisar da aprovação alheia, mas ainda sonhava em conhecer alguém especial, na faculdade. Porém, a realidade é que passei os quatro anos de faculdade sem ir a nenhum encontro porque, como muitas outras pessoas, eu não queria correr riscos. Deixei de me relacionar com algumas pessoas muito legais porque eu queria encontrar alguém perfeito, quando a verdade é que ninguém é perfeito.

Quando você está cara a cara com alguém, você pode se sentir atraído pelas qualidades físicas dela, mas a conexão emocional que você constrói com essa pessoa, seja instantânea ou ao longo do tempo, é algo que nenhum aplicativo de encontros pode copiar.

Há algo emocionante e empolgante em conhecer uma pessoa nova pela primeira vez, sem nenhuma expectativa e sem pensar nas outras 12 pessoas com quem você deu match naquele dia. Às vezes eu sinto que esses aplicativos nos desencorajam de correr esses riscos - dizer “oi” para alguém em uma lanchonete, pedir informações sobre o metrô, ou simplesmente tomar coragem de chamar alguém para sair porque ela chamou sua atenção - porque as pessoas estão tão focadas seus celulares. Mas estamos realmente vivendo se não assumimos riscos de vez em quando?

Aplicativos de encontros são ótimos para muitas pessoas. Eu conheço pessoas que encontraram o atual companheiro através desses aplicativos. Mas eu só queria que os dates não dependessem tanto disso, porque as conexões humanas - pelo menos as que eu gostaria de ter - não podem ser fabricadas pela tecnologia, não importa quão avançadas sejam.