Didi Wagner analisa nova temporada de "Lugar Incomum": "Possibilidades de bem-estar"

Didi Wagner em voo de balão sobre a Amazônia (Foto: divulgação)
Didi Wagner em voo de balão sobre a Amazônia (Foto: divulgação)

Interessada em práticas como meditação e ioga desde antes de autocuidado virar o conceito que tanto abordamos atualmente, Didi Wagner queria que a vigésima temporada de "Lugar Incomum", que estreou esta semana no Multishow, "trouxesse diversas possibilidades de bem-estar" — ainda mais depois dos últimos dois anos.

"Cada pessoa tem uma maneira de se sentir melhor. Há quem precise se desconectar e estar mais perto da natureza, tipo eu, mas há também quem que alivie a tensão em festas, com muita gente e música alta. Então, mais do que explorar destinos com esse apelo de isolamento e introspecção, a ideia era mostrar que não tem regra nesse sentido", explica a apresentadora, no comando do programa desde 2006.

Desta vez, Didi e a equipe que sempre a acompanha estiveram em Rio Branco, Recife, São Paulo e Rio de Janeiro. "De um voo de balão sobre a Amazônia à visita que fizemos ao centro cultural de Alceu Valença, em Olinda, foram várias as experiências inesquecíveis que vivemos durante as gravações", diz a apresentadora.

Ela também destaca o bate-papo com um homem que há anos trabalha como vendedor de chá e biscoito de polvilho — combinação clássica entre os cariocas — e a passagem pela Represa Billings, um dos maiores e mais importantes reservatórios de água da Região Metropolitana de São Paulo.

Lugar de mulher é no mundo, mas...

Além do chamado turismo de bem-estar, Didi está por dentro do crescimento do número de mulheres que decidem viajar sozinhas ou em grupos exclusivamente femininos. Ela sabe também que, de alguma forma, inspira muitas delas.

"Pode parecer óbvio que pelo menos uma pessoa, a que segura a câmera, está comigo. Mesmo assim, recebo inúmeras mensagens sobre eu 'viajar tanto sozinha'", conta. "É algo incrível, claro, e graças aos movimentos feministas avançamos em diversos aspectos. Mesmo assim, infelizmente, ainda estamos longe do cenário ideal quando se fala em segurança. É preciso estudar bem o roteiro e os riscos antes de escolher entre um lugar e outro", conclui.