4 dicas e um bônus para casais que moram em casas separadas


A tendência de casais que vivem em casas separadas tem crescido no mundo. (Foto: Getty Creative)

Nós já falamos por aqui sobre o conceito de casamento pela metade, quando os casais casados passam apenas parte da semana juntos. Porém, qualquer que seja o seu tipo de relacionamento, se você faz parte dos casais que moram em casas separadas, com certeza sabe que, muitas vezes, é complicado manter o relacionamento saudável.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Por isso, conversamos com o psicólogo especialista em sexualidade Marlon Mattedi, do Sexo Sem Dúvida, para buscar dicas imprescindíveis de como manter a relação em dia.

Comunicação

Se tem uma coisa que é necessária para qualquer relacionamento, mas especialmente os românticos, é comunicação. Marlon explica que é muito importante deixar claro o tipo de relação que você tem com o outro - no caso de um casamento pela metade ou de um relacionamento aberto, explicar exatamente o que você tem em mente sobre o assunto e ouvir o que o outro pensa para que vocês fiquem alinhados.

Leia também

Acordos claros

Nessa conversa, o psicólogo diz que é essencial definir bem claramente tambémo que pode e o que não pode ser feito. "Por exemplo, relações extraconjugais, sair para festas ou encontros sociais, com que frequência se encontrarão, a que distância gostariam de morar. Tudo deve ser ajustado e acordado", explica.

Nível de amadurecimento

Antes de mais nada, ou mesmo durante as conversas, é muito importante você determinar o seu nível de maturidade para entrar em um relacionamento onde as duas partes moram em casas separadas parte da semana. "A maturidade é interna e depende muito mais de como você vai ver essa relação, do que o que o outro vai exatamente fazer quando estiver longe de você e quando estiverem juntos também", complementa Marlon.

Posse e controle

Em relacionamentos como um casamento pela metade ou um relacionamento aberto, é essencial você trabalhar em você o senso de controle e posse sobre o outro. O psicólogo reforça como nesse tipo de relação não cabe o controle de horários em que um chega ou sai de casa, se dormiu ou ficou acordado, se recebeu amigos ou não. "Abrir mão do controle e da posse é um desafio para muitas pessoas", diz ele.

Bônus: auto-avaliação é chave

Acima de qualquer coisa, Marlon diz que é de extrema importância a sinceridade consigo mesmo. Avalie com frequência se você se sente bem nesse tipo de relacionamento, se é isso o que você quer realmente para a sua vida e se você está confortável. A boa notícia é que não existe um problema em mudar de ideia, mas a questão é sempre manter a comunicação com o outro, a sinceridade e a honestidade ativas.

Lembre-se também de sempre pensar na sua rotina e nos seus projetos pessoais e profissionais. Morar com alguém vale a pena? Lidar com essa dinâmica faz sentido para você e o que você busca profissionalmente, por exemplo? Pense na sua vida ideal, em como você gostaria que fossem os seus dias e o que você busca alcançar, em termos profissionais, para então comunicar a outra pessoa e, assim, seguir os passos acima.