Demi Lovato diz que não se incomoda quando alguém erra seu gênero

·3 minuto de leitura

Demi Lovato não se arrepende de ter quebrado os padrões da representação não binária na música

Demi, que usa os pronomes neutros, comemorou o Dia Internacional das Pessoas Não Binárias na terça-feira, um dia antes da data oficial, com uma lição sobre os pronomes e a importância de respeitar a verdadeira expressão de cada pessoa.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Leia também 

Em um repost do ativista Matt Bernstein, Lovato compartilhou vários slides definindo o termo pessoa não binária, explicando que não é uma questão estética nem uma tendência, e que só porque uma pessoa se identifica como não binária.

"As pessoas não binárias têm direito de viver sem ter que ficar o tempo todo explicando, justificando e provando que são reais para quem se recusa a aceitar que a definição de gênero está mudando", diz o último slide.

Lovato continuou o post com uma nota pessoal sobre a confusão de gênero: "acontece comigo também".

"Não me incomodo quando as pessoas confundem meu gênero, eu também me engano às vezes! É uma grande transição mudar os pronomes que usei a vida toda. Às vezes fica difícil de lembrar!", escreveu.

Ile acrescentou: "Contanto que vocês tentem respeitar a minha verdade, e eu tenha consciência dessa verdade, a mudança acontecerá naturalmente. Agradeço o esforço de vocês para tentar se lembrar de algo tão importante para o meu processo de cura".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Senti necessidade de postar isso porque muitas vezes acho que a mudança de pronomes pode ser confusa e difícil de lembrar para algumas pessoas. Tudo depende da intenção. Para mim, é importante que as pessoas tentem, mas tudo bem se errarem", concluiu, na legenda da publicação.

No mês passado, Lizzo, de 33 anos, viralizou por corrigir um paparazzo que errou o gênero de Lovato.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Você quer mandar um recado para a Demi? Quer ligar para ela?" perguntou o paparazzo. Lizzo respondeu: "Ligar para ile".

"Demi é ile", continuou Lizzo. Mais tarde, Lovato agradeceu nas redes sociais: "Lizzo, te amo, obrigade".

Desde que se assumiu como pessoa não binária, termo para identidades de gênero que não são masculinas nem femininas, Demi Lovato iniciou uma discussão mais ampla sobre a inclusão na indústria musical.

"Hoje, estou muito feliz em compartilhar um pouco mais da minha vida com todos vocês. Tenho orgulho de dizer que me identifico como pessoa não binária e vou mudar oficialmente meus pronomes para ile/dile daqui para frente", escreveu em um post revelador em maio de 2021.

"Tomei essa decisão depois de muito trabalho de cura e autorreflexão. Ainda estou aprendendo e me reconhecendo, não sou especialista nem porta-voz do tema".

Ile promoveu debates sobre respeito e expressão, que levaram celebridades como Jane Fonda às lágrimas.

Em uma entrevista ao Audacy Check In no mês passado, Lovato explicou: "Depois de um ano e meio de autoanálise, percebi que era hora de dizer a todos que não gosto quando sou chamada de 'ela'. Entendo que as pessoas podem ter dificuldade porque é algo novo, mas quero incentivá-las a continuar tentando e sei que esse processo leva tempo".

"Agora, sinto como se tivesse duas famílias. Tenho meus parentes de sangue e também minha família queer, que é minha por escolha", acrescentou.

Durante o YouTube Pride 2021 em junho, ile contou que tinha falado com familiares e amigos no ano passado antes de decidir divulgar a decisão em maio.

"Achei muito importante compartilhar essa decisão com todas as pessoas", explicou. "Sempre fui transparente com meus fãs. Senti que não era certo guardar esse segredo por mais tempo e queria compartilhar minha verdade com o mundo todo".

Na verdade, cada vez mais jovens estão se identificando como não binários.

Uma nova pesquisa divulgada na segunda-feira pelo Trevor Project revelou que mais de um em cada quatro (26%) jovens LGBTQIA+ se identificam como não binários. Outros 20% disseram não ter certeza ou estão questionando a identidade não binária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos