De gringos a brasileiros, Lolla só quer uma coisa: "Fora, Bolsonaro"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
À frente, a apresentadora Titi Müller com celular e microfone nas mãos; ao fundo, público levanta bandeira com a frase
Público do Lollapalooza protesta contra o presidente Jair Bolsonaro (Imagem: Reprodução/ Multishow)

O Lollapalooza 2022 finalmente começou. Nesta sexta-feira (25), o público brasileiro recebeu o primeiro dia de evento no Autódromo de Interlagos, em São Paulo.

O dia foi marcado por apresentações de grandes nomes da música internacional e nacional, como Pabllo Vittar, Doja Cat, Machine Gun Kelly e muitos outros.

A volta dos festivais

O clima entre o público presente era de alegria pelo retorno do evento, que ficou dois anos na gaveta por conta da pandemia do coronavírus. Já sem a obrigatoriedade do uso de máscaras e com a comprovação da vacina, as pessoas puderam ter um primeiro gostinho do que é o mundo pós-restrições impostas pela Covid-19.

O Lolla dos protestos políticos

Outro fator que marcou quase todas as apresentações do Lolla foram as manifestações políticas. A drag queen Pabllo Vittar, por exemplo, pediu um “Fora, Bolsonaro” e usou uma bandeira com a foto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estampada ao finalizar sua apresentação.

Pabllo Vittar em palco do Lollapalooza
Pabllo Vittar em palco do Lollapalooza (Foto: Brazil News)

A britânica Marina, antes conhecida como Marina and The Diamonds, também aproveitou a presença no Brasil para protestar contra Bolsonaro e Vladimir Putin, presidente da Rússia - o país está em guerra contra a Ucrânia.

“A gente não precisa dessa energia e eu fico muito feliz que a minha fan base é a nova geração e vocês vão mudar o mundo”, declarou a cantora após o protesto em plena apresentação.

Marina com
Marina com "eu te amo" escrito no top em palco do Lollapalooza (Foto: Iwi Onodera/ Brazil News)

E as manifestações políticas não ficaram apenas em cima dos palcos. O público do Lolla apoiou todos os coros pedindo “Fora, Bolsonaro”.

Palco eletrônico

Além dos três palcos principais do evento (Adidas, Budweiser e Onix), o Lolla também contou com um palco eletrônico, localizado em uma área mais afastada das principais atividades do evento. Apesar de ser menor, o espaço tem uma programação de peso - Alok é um dos nomes que se apresenta por lá.

Hoje, o destaque ficou para a norte-americana Ashnikko, famosa no TikTok com o single “Daisy”. Ela chegou a interromper a apresentação da música para pedir maior comprometimento do público, que atendeu com vozes empolgadas e explosivas

O hipster deu lugar às cores da GenZ?

O shorts jeans e a camiseta de banda parece ter deixado de ser um item indispensável e as pantalonas, calças largas de todas as estampas, brilhos e cores estão dominando os looks da galera mesmo embaixo de um sol de 30 graus.

O estilo representado por Jade Picon, um dos principais nomes do “BBB22” e da influência digital da geração, também não ficou de fora do evento. O olhar atento do Yahoo aos gostos da atualidade detectou peças do estilo de sua marca, a JadeJade, agora reproduzida na marca de Gkay, dominando os looks da galera. Muita cor, estampas circulares e o tecido característico das peças usadas pela jovem no reality da Globo marcaram esse novo aesthetic.

O (quase) estrago da chuva torrencial

Foram suficientes cerca de 20 minutos de tempestade para paralisar os palcos por quase uma hora por volta das 16h. Uma chuva que chegou de repente parece ter dado uma amostra concreta do “Rajadão” de Pabllo antes de sua estreia no evento.

Apesar do atraso, o público não arredou o pé e lotou os gramados do autódromo após resistir aos fortes ventos e lamaçal que foi gerado pelo temporal. O público, de fato, provou que não é feito de açúcar e se entregou às performances de Pabllo Vittar como se não tivesse tomado um banho de chuva minutos antes.

Público deu close certo!

Além de tudo, o Lollapalooza Brasil é o primeiro grande evento pós-pandemia - e óbvio, pós-TikTok. O aplicativo começou a virar febre durante o isolamento social e mudou o comportamento da galera.

Deu pra notar durante o evento a influência do aplicativo famoso por suas coreografias, que não faltou durante todos os shows do evento. Outro sinal claro da influência tiktoker no Lolla foi parte do line-up. Doja Cat e Ashnikko, por exemplo, dominam as trends da plataforma.

Doja Cat segura bandeira do Brasil em palco
Doja Cat apresentou uma série de hits no show (Foto: Manuela Scarpa/ Brazil News)

No que se refere ao comportamento, o público do Lolla não deu vexame. Mesmo depois de enfrentar um temporal, o clima era amistoso e a redação não detectou nenhuma briga ou desavença.

Por outro lado, faltou mais atenção com o descarte de lixo. As latas, espalhadas pelo Autódromo de Interlagos, não foram o suficiente para conter a quantidade de detritos produzidos no evento. Mais um ponto negativo são as filas quilométricas para conseguir comprar alimentos e bebidas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos