Como cuidar melhor dos nossos idosos para protegê-los do coronavírus

Grasielle Castro

Poucas coisas são claras em relação à disseminação do novo coronavírus, mas há uma certeza: nossos idosos compõem o principal grupo de risco da doença. É entre eles que os riscos e a taxa de mortalidade são maiores ― especialmente entre aqueles com mais de 80 anos. 

A letalidade na população em geral é de 2,3%, mas considerando a faixa etária entre 60 e 69 anos é de 3,6%. Dos 70 aos 79 anos, ela cresce para 8%. Quando passa de 80 anos, o índice chega a 14,8%. 

Os dados integram o mais completo levantamento divulgado até agora sobre o coronavírus e feito pelo Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças (Chinese Centre for Disease Control and Prevention - CCDC) a partir da análise dos primeiros 44.672 casos confirmados no país.

Os números indicam ainda que também são entre as pessoas com idade avançada que os casos são mais severos. O período já delicado da vida exige ainda mais cuidados neste momento de pandemia. Com a intenção de protegê-los, pessoas que convivem diariamente com idosos têm se perguntado o que podem fazer para preservar ao máximo seus pais e avós. 

Presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), o médico Carlos André Uehara é taxativo na resposta: “o fundamental é mantê-los em casa”. “Quanto mais isolados socialmente esses idosos ficarem pelo período de surto, mais eles ficarão protegidos.”

Quanto mais isolados socialmente esses idosos ficarem pelo período de surto, mais eles ficarão protegidos.Carlos André Uehara, médico geriatra

Idoso só deve sair de casa se for estritamente necessário. 

Uheara recomenda ainda que o idoso não suspenda nenhum tipo de medicação e que tome as vacinas. “Quem precisar sair de casa para se vacinar terá de evitar aglomerações, manter distância das pessoas e lugares fechados. Se não tomou, tomar também a vacina contra pneumonia”, aconselha. Consultas de rotina, segundo o médico, também devem ser evitadas, a menos que o idoso apresente algum sintoma agudo. 

Nesta semana,...

Continue a ler no HuffPost