Crise, alta do dólar e as consequências da Libertadores sem a Globo no Brasil

Jorge Nicola
·2 minuto de leitura
Palmeiras será o primeiro afetado e seu jogo com o Guarani, em 16 de setembro, ficou sem transmissão (Cesar Greco/Palmeiras)
Palmeiras será o primeiro afetado e seu jogo com o Guarani, em 16 de setembro, ficou sem transmissão (Cesar Greco/Palmeiras)

A crise bateu de maneira bem forte à porta da Rede Globo. Após recorrer à Justiça pra adiar o pagamento dos direitos de transmissão da Copa do Mundo de 2022 e de rescindir o contrato com o Campeonato Carioca, economizando cerca de R$ 300 milhões, a principal emissora do país surpreendeu a todos com o anúncio de que não vai mais exibir a Taça Libertadores.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Depois de tentar, sem sucesso, negociar com a Conmebol uma redução no custo anual de US$ 65 milhões, a Globo enviou uma carta à entidade anunciando que vai se valer de uma cláusula para romper o contrato da Libertadores, como revelou o Uol nesta quinta-feira.

Leia também:

Mas como fica agora? A notícia pegou a todos de surpresa. A Conmebol, o mercado publicitário, os concorrentes da Globo e até os times brasileiros envolvidos: Flamengo, Palmeiras, São Paulo, Santos, Grêmio, Inter e Athletico.

Pela nota divulgada pela Globo, entende-se que a decisão é irreversível. Desta maneira, pelo menos três partidas por rodada deixam de ter transmissão, incluindo Globo e Sportv. A exposição dos brasileiros também é seriamente afetada à medida em que a única TV aberta habilitada para mostrar os jogos está fora.

Já a Conmebol perde aproximadamente 20% de tudo o que fatura com a Libertadores vendendo os direitos de transmissão para toda a América do Sul. Os US$ 65 milhões anuais desembolsados pela Globo, que equivalem a R$ 346 milhões, certamente não serão igualados por SBT, Record, Bandeirantes, RedeTV ou qualquer outra. A Globo alega que na assinatura do contrato o dólar representava R$ 3,88. No fechamento da quinta-feira, bateu R$ 5,35, representando um aumento de R$ 95 milhões no custo da emissora por ano.

É natural que a Conmebol busque repassar esses direitos a alguém no Brasil. Mas quem? Por quais valores? A partir de 15 de setembro, quando a Libertadores for retomada, as transmissões ficaram restritas à Fox Sports e ao Facebook. E quem mais perde é o telespectador brasileiro.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos