Criança: saiba identificar as quedas que podem sinalizar algo mais sério

É preciso ficar atento aos tombos (Getty Images)

A presidente da Liga Brasileira de Neurologia, a médica Maria Luiza Manreza, explica que durante os dois primeiros anos de vida o desenvolvimento infantil acontece muito rápido. “Andar é uma habilidade que costuma ser desenvolvida entre os dez e 18 meses de vida e embora cada criança tenha o seu próprio ritmo, uma coisa é certa: é preciso atenção aos sinais dos tombos infantis”.  

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Tropeçar nas próprias pernas

No entanto, a neurologista adverte que é algumas quedas requerem investigação. Por exemplo: quando a criança parece “tropeçar nas próprias pernas”, pode sinalizar o início da neurodegeneração infantil. Causada pela lipofuscinose ceróide neuronal tipo 2 (CLN2), a patologia, que também é conhecida como Doença de Batten, caracteriza-se pela regressão de tudo o que a criança aprendeu, como andar, sentar e até falar até os dois anos. 

Leia também

Devido ao desconhecimento dos sinais, muitas vezes a patologia só  é diagnosticada quando está em estado avançado, com o surgimento dos sintomas associados como crises epiléticas, perda visual e a deterioração geral das funções psicomotoras”

Histórico familiar 

“É muito difícil um médico suspeitar ou já diagnosticar um paciente com CLN2, se já não houver histórico da doença na família. Por serem sintomas que podem ocorrer em outras doenças, muitas vezes não percebem que podem estar lidando com a CLN2 até que a criança comece a perder a visão, por exemplo”, alerta a neurologista.

A neurologista explica que a doença, neste estágio, já é considerada avançada e impossível de ser revertida. Por isso, recomenda ser fundamental a investigação das causas de qualquer percepção de alteração no comportamento da criança. “No diagnóstico da CLN2, todo minuto importa.”

A Dra Maria Luiza Manreza esclarece ainda que as crianças com CLN2 nascem com mutações genéticas, que impossibilitam  a eliminação correta de algumas substâncias indesejáveis das células. O que causa acúmulo de um material anormal que prejudica o funcionamento cerebral, ocasionando uma involução do desenvolvimento neuropsicomotor. 

Uma entre as 14 formas da Lipofuscinose Ceroide Neuronal  (CLN), a CLN2 é considerada rara, acometendo entre 1.3 a 7 em cada 100.000 nascidos vivos. Trata-se da principal causa de neurodegeneração na infância. 

“É preciso, ainda, atenção à identificação dos sintomas nas crianças a partir dos dois anos. Eles vão do atraso da linguagem às crises epiléticas com perda de habilidades motoras e cognitivas já adquiridas.  Após o diagnóstico clínico, o teste laboratorial, feito através de uma amostra de sangue, ou swab oral, permite ao médico identificar a patologia”, conclui Maria Luiza Manreza.