Crítica: 'Entre Idas e Vindas' não abre mão da sensibilidade para ser popular

A presença de Ingrid Guimarães em ‘Entre Idas e Vindas’ pode dar uma impressão enganosa ao espectador desavisado. Mas esta não é uma comédia rasgada como 'De Pernas Para o Ar’ ou 'Loucas Para Casar’, que repetiam fórmulas já desgastadas no humor televisivo e a ampliavam para a tela grande.

O filme de José Eduardo Belmonte ('Alemão’ e 'Billi Pig’) consegue o raro feito de ser popular sem se nivelar por baixo. Tem personagens tridimensionais, uma história delicada e não apela nem na hora de fazer rir, nem na hora de fazer chorar.

Quatro amigas que trabalham juntas numa empresa de telemarketing decidem viajar juntas, a bordo de um motor home, como despedida de solteira de uma delas. Amanda (Ingrid) é uma espécie de mãezona, Krisse (Rosane Mullholand) é mais tímida, Cillie (Caroline Abras) é a bem-humorada e Sandra (Alice Braga), justamente a noiva, é uma pilha de nervos ambulante, já que acaba de descobrir uma traição do parceiro.

Apesar de terem personalidades diferentes bem marcadas, o roteiro de Belmonte e Claudia Jouvin não torna nunca essas mulheres caricaturas ou arquétipos. O grupo está tão à vontade em cena, os diálogos fluem tão naturalmente, que dá a impressão de que são pessoas reais, com quem poderíamos cruzar na rua a qualquer momento.

Juntam-se a elas um pai (Fabio Assunção) e seu filho (João Assunção, filho de Fabio também na vida real), deixados na mão pelo carro no qual viajavam e “adotados” pelo quarteto feminino.

Em meio à viagem, descobrimos um pouco mais dos personagens. Numa das cenas, por exemplo, os adultos sentam-se à mesa e contam suas desilusões amorosas, apostando quem tem a história mais sofrida. Poderia ser uma sequência piegas, com uma música triste ao fundo e lamentações profundas.

Mas é tudo filmado de maneira despretensiosa, com profunda confiança nos atores e sem nunca perder o senso de humor. Um retrato fiel do que é este 'Entre Idas e Vindas’, longa nacional que precisa ser descoberto pelo público.