Covid-19: Brasil tem 85.238 mortes e 2.343.366 casos confirmados, dizem secretarias de Saúde

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Escolas de Manaus tiveram retorno de aulas com professores e alunos usando equipamentos de proteção individuais (Lucas Silva/AGIF)
Escolas de Manaus tiveram retorno de aulas com professores e alunos usando equipamentos de proteção individuais (Lucas Silva/AGIF)

O número de casos do novo coronavírus no Brasil subiu para 2.343.366 e o total de mortes chega a 85.238. Os dados, divulgados na noite desta sexta-feira (24), constam no painel atualizado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), um sistema próprio de informações que reúne dados de contaminados e de óbitos em contagem paralela à do governo.

Nas últimas 24 horas, foram registrados mais 55.891 casos novos, o terceiro maior número de casos já contabilizados no Brasil desde o início da pandemia, ficando atrás apenas da última quarta (67.860) e última quinta (59.691), quando foram somados 67.860. Também foram constatados mais 1.156 óbitos no período, segundo os dados divulgados pelo Conass

Leia também

Na quinta (23), o país tinha 84.082 mortes e 2.287.475 casos confirmados de Covid-19, de acordo com o conselho.

Prezando pela confiabilidade nas informações, o Yahoo Brasil passou a adotar como padrão, desde 8 de junho, os dados estatísticos divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde através do Conass, e não mais os números apresentados pelo Ministério da Saúde.

Os dados do Conass também viraram referência para o Congresso Nacional, que abandonou a contagem do Ministério da Saúde. A decisão foi anunciada na segunda-feira pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

DADOS CONSOLIDADOS RETORNAM

Na terça, o governo do presidente Jair Bolsonaro voltou a divulgar os dados acumulados de casos confirmados e óbitos no site oficial disponibilizado pelo Ministério da Saúde, que haviam sido omitidos da plataforma na quinta-feira (4).

O recuo acontece após a determinação para retomada da divulgação, decidida pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, na noite de segunda-feira (8), ao acatar um pedido protocolado pelos partidos Rede, PSOL e PC do B.

Mais cedo nesta terça, o ministro-interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, voltou a negar que a pasta esteja escondendo dados da Covid-19, e reiterou que os dados retirados seriam recolocados no portal, durante reunião da comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha as ações de combate à pandemia da Covid-19.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube