Coronavírus: por que muita gente ainda espalha fake news

Coronavírus: por que muita gente ainda espalha fake news. Foto: Getty Images

Por Fábio de Oliveira, da Agência Einstein

Uma suposta vacina contra o coronavírus foi desenvolvida em Cuba. Beber água quente mata o vírus. Pesquisa chinesa diz que o coronavírus tornará a maioria dos pacientes do sexo masculino infértil. Comer alho evita a contaminação. Seja por áudio, texto ou vídeo, a disseminação de fakes news como as citadas acima tem sido uma constante ainda antes de a situação ser considerada uma pandemia. O principal veículo de propagação são as redes sociais e aplicativos de mensagens, como o WhatsApp. Mesmo com os comunicados dos Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde, além daqueles provenientes de outros renomados centros de pesquisa ao redor do planeta, esse tipo de compartilhamento persiste. Por quê? O Grupo de Estudos da Desinformação em Redes Sociais (EDReS), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior paulista, vai procurar responder a essa e outras questões por meio de um levantamento desse tipo de notícia sobre o novo coronavírus. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

“Estamos querendo entender como a desinformação em geral circula em redes sociais”, diz Leandro Tessler, professor do Departamento de Física Aplicada do Instituto de Física Gleb Wataghin e integrante do projeto. “Elas viraram a fonte de desinformação de um bolsão de pessoas que acreditam em ideias que não têm correlação com a realidade.” O grupo é interdisciplinar e conta com físicos, biólogos e sociólogos. O EDReS criou uma hotline no WhatsApp (+55 19 99327 8829) para onde as pessoas podem enviar fake news a respeito do coronavírus. Já foram encaminhadas mais de 22 mil mensagens. A análise desse conteúdo se dará por meio de técnicas de inteligência artificial para mapear o que está sendo propagado e reproduzido nas redes. É possível descobrir, por exemplo, por que tipo de canal um usuário trafega, suas fontes de informação. 

Leia também

O propósito é buscar compreender por que informação falsa é mais difundida do que a verdadeira. Existem algumas pistas. “A rede social acabou com a autoridade do especialista”, explica Tessler. Guardiões do saber como universidades e bibliotecas não são mais os detentores absolutos do conhecimento. A digitalização o democratizou, mas, paralelamente ao fenômeno, houve a perda de filtros. “Com a internet, qualquer pessoa coloca suas ideias, até as racistas. Não existe um filtro”, diz o professor. Daí a disseminação de conceitos simplistas e errôneos, que equivocadamente trazem esperança para alguns sem ter por base qualquer embasamento científico. Trata-se de um perigo em se tratando de questões de saúde, como a da pandemia do coronavírus. O indivíduo quer muito que a informação seja verdade e passa adiante a fake news para quem pensa de forma semelhante. “São bolhas identitárias e, no Brasil, ideológicas”, fala Tessler. 

Porém, mais uma vez vale lembrar: as melhores fontes de informação são as oferecidas por instituições reconhecidas. No Brasil, por exemplo, no caso do novo coronavírus, há sites confiáveis onde se pode encontrar dados corretos. Entre eles, o da Fundação Oswaldo Cruz (https://portal.fiocruz.br/) e o do Hospital Israelita Albert Einstein (https://vidasaudavel.einstein.br/).

 (Fonte: Agência Einstein)