Coronavírus: Álcool em gel manipulado, embalagens maiores e fiscalização para conter falta de produto e preços abusivos

Valerie Beland, right, a St. Patrick's Day reveler from Pompano Beach, Fla., squirts hand sanitizer on the hands of bartenders at the Briny Irish Pub during the establishment's last minutes being opened for alcohol service, Tuesday, March 17, 2020, in Pompano Beach, Fla. Florida Gov. Ron DeSantis mandated that all bars be shut down for 30 days beginning at 5 p.m. on Tuesday, as a response to the coronavirus pandemic. (AP Photo/Julio Cortez)

Muitos brasileiros enfrentam a falta de álcool em gel nas prateleiras de farmácias e de mercados no país. Em tempos de coronavírus, a procura pelo item, usado na higienização, tem aumentado. Quando encontram, consumidores reclamam de preços abusivos.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Em São Paulo, por exemplo, o Procon informou que, de 43 lojas visitadas nesta semana, só encontrou os produtos em duas delas. 

Em meio à pandemia, algumas medidas já estão em andamento para resolver o problema.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou as farmácias de manipulação a prepararem e venderem álcool em gel de forma direta para o público. Com essa medida temporária, a agência pretende ampliar o acesso da população a esses produtos.

A Câmara, por sua vez, aprovou, em regime de urgência, projeto que susta por 90 dias uma norma da Anvisa e passa a permitir a venda de álcool em embalagens maiores que as permitidas atualmente. A medida também visa a suprir a demanda.

Segundo o autor da proposta, deputado Dr. Luiz Antônio Teixeira Jr. (PP-RJ), representantes dos supermercados pediram a liberação de embalagens maiores de álcool líquido, especialmente o com 70% de concentração (GL), que teve sua comercialização restrita em virtude dos riscos de acidentes e queimaduras.

A aprovação da matéria faz parte de um conjunto de propostas legislativas encaminhadas pela Comissão Externa de Ações Preventivas ao Coronavírus no Brasil da Câmara dos Deputados. 

Leia também:

Os deputados Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES) e o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) enviaram carta ao presidente Jair Bolsonaro sugerindo uma série de medidas para combater a crise decorrente da pandemia do coronavírus (Covid-19). 

Entre elas, está a diminuição temporária de requisitos exigidos para a concessão de licença para a produção de álcool em gel e similares. “Trata-se de medida simples e com imediata produção de efeitos positivos para a população de todo o país, evitando-se o desabastecimento e o aumento desarrazoado dos valores cobrados durante a pandemia”, afirmam.

PREÇOS ABUSIVOS

O tabelamento de preços de itens essenciais ao combate da Covid-19, como álcool em gel e máscaras, também está em discussão na Câmara dos Deputados.

A medida é defendida pelo deputado Dr. Luiz Antônio, presidente da comissão externa. Segundo ele, há relatos em todo o país de preços abusivos de álcool em gel e máscaras descartáveis.

Já o Procon afirmou que fará blitzes em todo o país para interditar e multar estabelecimentos que estão vendendo máscaras e álcool em gel com preço abusivo.

Em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) anunciou ter fechado um acordo com a Associação Paulista de Supermercados para venda de álcool em gel sem margem de lucro.