Coronavírus: é falso que OMS recomenda 'sexo seguro com animais' para conter surto

Redação Notícias
(Getty Images)
(Getty Images)

O crescente número de casos do surto de Coronavírus em diversos países do mundo — já foram, entre outros, confirmados casos na China, EUA, Coreia do Sul, França e Taiwan — faz gerar uma também crescente onda de notícias falsas acerca do tema. No Brasil, cinco casos notificados como suspeitos já foram descartados pelo governo federal, que garante que estamos seguros.

Circula em correntes do WhatsApp, por exemplo, que a Organização Mundial da Saúde (OMS) está indicando, entre suas medidas para evitar a contaminação, o “sexo seguro” com animais selvagens ou de fazendas. A imagem, no entanto, é falsa.

Leia também

Os avisos da OMS realmente existem e podem ser encontrados neste link. Na página oficial da Organização é possível notar a imagem que foi manipulada e teve seu texto modificado. Na original, em inglês, está escrito: “Avoid unprotected contact with live wild or farm animals”. Na tradução literal, “Evite contato sem proteção com animais selvagens ou da fazenda”.

No site da OMS estão os verdadeiros avisos e dicas que a organização disponibiliza (Reprodução)
No site da OMS estão os verdadeiros avisos e dicas que a organização disponibiliza (Reprodução)

A imagem que circula no WhatsApp, manipulada, contém o seguinte texto, também em inglês: “Avoid unprotected sex with live wild or farm animal”, o que na tradução literal significa “Evite sexo sem proteção com animais selvagens ou da fazenda”.

Imagem falsa que circula nas redes sociais (Reprodução)
Imagem falsa que circula nas redes sociais (Reprodução)

A OMS tem diversos alertas e instruções para que seja evitada a contaminação por meio do Coronavírus. Entre elas, além de dicas de higiene, estão identificação dos sintomas e melhores práticas com determinas tipos de alimentos, desde seu preparo até seu consumo.

“Medidas drásticas”

Cientistas de Hong Kong afirmaram que o número de casos do vírus de Wuhan pode superar 40 mil e, por este motivo, consideram que os governos devem adotar medidas drásticas para limitar os deslocamentos da população se desejam deter a propagação da epidemia.

Os cientistas da Universidade de Hong Kong (HKU) advertiram para uma aceleração da propagação do coronavírus, que até o momento deixou oficialmente 80 mortos na China, de um total de 2.744 casos confirmados. O número de casos suspeitos dobrou em 24 horas e se aproxima de 6 mil.

Impacto no mercado financeiro

O tom negativo prevalecia na bolsa paulista nesta segunda-feira, com o Ibovespa recuando mais de 2%, seguindo o viés de baixa no exterior em meio a preocupações com o surto de coronavírus.

Às 11:02, o Ibovespa caía 2,25%, a 115.718,35 pontos., com todas as ações do índice no vermelho. O volume financeiro somava 4,08 bilhões de reais.

O governo chinês estendeu o feriado do Ano Novo Lunar e grandes empresas fecharam as portas ou disseram a funcionários para trabalhar de casa, na tentativa de conter a propagação do coronavírus.