Coronavírus: Doria convida Bolsonaro a ver 'pessoas agonizando nos hospitais' de SP

Doria fez um convite ao presidente para que viesse a São Paulo ver a realidade dos hospitais lotados. (Foto: Miguel Schincariol / AFP)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), convidou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a sair de Brasília e visitar São Paulo para ver “pessoas agonizando nos leitos” dos hospitais que atendem os infectados pelo novo coronavírus.

“Saia dessa sua redoma de Brasília e venha visitar São Paulo, venha comigo ao Hospital das Clínicas, ao Hospital do MBoi-Mirim, aos Hospitais de Campanha e venha ver a ‘gripezinha’. Venha ver as pessoas agonizando nos leitos, venha ver a preocupação dos profissionais de saúde”, disparou o tucano.

Leia também

A fala do governador, segundo ele próprio, é uma resposta à acusação feita por Bolsonaro, na manhã desta quarta-feira (29), quando o presidente o culpou Doria e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), pelas mortes pela Covid-19.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

“Questão de mortes, a gente lamenta as mortes profundamente. Sabia que ia acontecer. Agora, quem tomou todas as medidas restritivas foram governadores e prefeitos”, disse Bolsonaro, acrescentado depois: “Essa conta tem que ser perguntada para os governadores. Perguntem ao senhor João Doria, ao senhor (Bruno) Covas, de o porquê terem tomado medidas tão restritivas e continua morrendo gente. Eles têm que responder. Vocês não vão colocar no meu colo essa conta.”

Doria iniciou a coletiva no Palácio dos Bandeirantes em tom incisivo contra o presidente. Na noite de segunda (27), Bolsonaro respondeu com um “e daí” e perguntou o que ele podia fazer depois de ser questionado sobre novo recorde de mortes pela Covid-19 no país, que já passam de 5 mil.

“Posso enumerar algumas atitudes que já deveria ter tomado e não adotou. Deveria fazer aquilo que o senhor não fez, começando por respeitas os brasileiros que o elegeram e os que não o elegeram. Respeite o luto das 5 mil famílias que perderam seus parentes para o coronavírus, que não é essa gripezinha, esse resfriadinho, que você minimizou dizendo não ser importante”, disparou o governador.

Doria também fez referência ao fato de Bolsonaro ter visitado um estante de tiro na tarde de terça. “Respeite os médicos, enfermeiros e profissionais de saúde que, ao contrário do senhor que foi treinar tiro em estande, estão trabalhando para salvar vidas, atender pessoas e proteger seres humanos (...). Ao invés de treinar tiros, treine compaixão”.

“PERVERSIDADE” E VISITA A MANAUS

O governador por fim convidou Bolsonaro a ir para Manaus, caso “tenha medo de vir para São Paulo”, e fez um apelo para que o presidente deixe de praticar a “política da perversidade”.

“Pare com essa política da perversidade, pare de atrapalhar quem está lutando para salvar vidas, pare de fazer política em meio a um país que chora mortes e infectados. (...) Se não quiser vir a São Paulo por medo ou por outro motivo, vá a Manaus ver o colapso na saúde. Vá ver a realidade do país, saia da sua bolha, da sua fábula, desse seu mundinho de ódio.”