Coronavírus: Como proteger as crianças em ambientes públicos

Agência Einstein
·3 minuto de leitura
Como proteger as crianças em ambientes públicos. Foto: Getty Images
Como proteger as crianças em ambientes públicos. Foto: Getty Images

Por Nicola Ferreira, da Agência Einstein

A reabertura gradativa de parques, clubes esportivos, playgrounds, restaurantes e outros setores da economia em algumas cidades brasileiras de acordo com a redução de casos de Covid-19, tem gerado dúvidas nos pais a respeito dos riscos que o convívio em ambientes comuns pode oferecer às crianças. Depois de meses dentro de casa, em ambiente controlado, proteger os pequenos nestes ambientes requer alguns cuidados.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

“Na volta dessas atividades, o que vale é o que já está sendo feito. Manter o distanciamento social e higienização pessoal, lavar as mãos com frequência e fazer uso do álcool gel”, afirma Claudio Schvartsman, pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein.

Veja também

Mesmo sofrendo menos com a exposição ao vírus, crianças transmitem o novo coronavírus Sars-Cov-2. Por isso, protegê-las é uma maneira de evitar também a contaminação dos pais e de avós. “Fora raras exceções, as crianças são poupadas pela Covid-19. Geralmente elas têm sintomas leves ou são assintomáticas. O problema é que elas podem ser transmissores da doença para pais e avós, que podem ser afetados gravemente”, complementa Schvartsman.

Segundo o pediatra do Einstein, ambientes fechados, festas infantis e outros locais onde os pais não conseguirão ter controle do distanciamento social devem ser evitados. O ideal é que os pais não frequentem qualquer ambiente em que não se sintam seguros”, diz.

Como proteger meu filho em espaços de convivência

Para orientar os pais sobre os cuidados que devem ser tomados na saída de casa com crianças, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos lançou em julho uma cartilha com importantes dicas do que pode e o que não pode ser feito:

Prefira espaços perto de casa

Locais de convivência muito afastados podem fazer com que você faça uma parada e nela entre em contato com pessoas ou superfícies contaminadas pelo Sars-CoV-2

Fique distante no mínimo um metro e meio de pessoas que você não tem contato

Evite locais muito lotados. Espaços abertos podem ser melhores para manter o distanciamento mínimo.

Use máscaras

Happy Mixed Race Ethnic Family Walking In The Park Wearing Medical Face Mask.
Use máscaras. Foto: Getty Images

Caso você não encontre um espaço com grande área para seguir o distanciamento, use a máscara. Elas não são recomendadas em crianças menores de dois anos, que tenham dificuldade de respirar ou de mobilidade.

Lave as mãos o tempo todo

Sempre após tocar em um brinquedo, antes de comer, ir ao banheiro, espirrar ou tossir é fundamental lavar as mãos da criança e depois as suas.

Prefira praças a playgrounds

Em playgrounds pode ser difícil manter as superfícies limpas e desinfetadas e o SARS-CoV-2, pode se espalhar quando crianças pequenas tocam objetos contaminados e, em seguida, tocam seus olhos, nariz ou boca. Mas, se você optar por visitar um playground, mantenha uma distância de pelo menos 1 metro e meio de distância das pessoas com quem você não mora, lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos e use máscara

Vá em piscinas, parques aquáticos e outros espaços com atividade aquática, mas tome cuidado

Alguns estudos sugerem que as chances de transmissão do novo coronavírus em águas recreativas são menores, uma vez que o tratamento das águas com produtos que contém cloro inativa o vírus. Mas, para evitar ao máximo a contaminação nesses espaços, é importante manter o distanciamento, não nadar com sintomas da Covid-19 e lavar as mãos nos vestiários.

(Fonte: Agência Einstein)