Coronavírus: Rússia fecha mais 4 mil km de fronteiras com a China

Primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, anunciou o fechamento das fronteiras com a China nesta quarta-feira. (Foto: Dmitry Astakhov / SPUTNIK / AFP)

A Rússia anunciou nesta quinta-feira que pretende fechar sua fronteira de 4.250 km com a China para combater a propagação do Coronavírus. Com a confirmação de um caso nas Filipinas, já são 20 países atingidos pelo novo vírus.

A China elevou para 170 mortos e mais de 7.700 infectados o número de vítimas do novo Coronavírus, detectado no fim do ano em Wuhan, epicentro do surto, capital da província de Hubei.

Leia também

"Uma ordem foi assinada hoje e entrou em vigor. Vamos informar a todos sobre as medidas tomadas para fechar a fronteira no Extremo Oriente", disse o primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Michustin, citado no site do governo. "Precisamos fazer de tudo para proteger nosso povo", justificou.

Segundo o governo, a Rússia encerrará a partir de sexta-feira suas passagens terrestres com a China. Não foi informado se esse fechamento também se refere aos portos.

Em comunicado, o ministério russo das Relações Exteriores anunciou a suspensão nesta quinta-feira da emissão de vistos eletrônicos para chineses nos pontos de passagem no Extremo Oriente, no enclave europeu de Kaliningrado e na segunda maior cidade do país, São Petersburgo.

As autoridades também pediram aos russos que se abstenham de qualquer viagem à China, "a menos que seja absolutamente necessário". O primeiro-ministro também ordenou a criação de uma "célula operacional" para impedir a propagação do novo Coronavírus.

A entidade será composta por membros do governo, chefes dos serviços de controle sanitário e de proteção aos consumidores, altos funcionários da segurança e o CEO da Aeroflot, a principal companhia aérea russa.

Moscou ainda não registrou caso em seu território de pacientes infectados com o coronavírus.

Muitos chineses, turistas e trabalhadores estão presentes na Rússia e especialmente na Sibéria e no Extremo Oriente. Eles também usam extensivamente os aeroportos russos como ponto de trânsito para os países europeus.

20 PAÍSES ATINGIDOS

Filipinas confirmou que investiga o primeiro caso de Coronavírus no país, aumentando para 20 o número de nações já atingidas.

O secretário de Saúde filipino, Francisco Duque, disse que a pessoa contagiada é uma mulher chinesa, de 38 anos, que viajou de Wuhan, na China continental, passando por Hong Kong, para as Filipinas no dia 21 de janeiro.

Leia mais sobre o surto do novo Coronavírus

A mulher procurou tratamento médico no dia 25 de janeiro devido a uma tosse leve. Nesta quinta-feira (30), foi confirmada a contaminação pelo vírus, informou Duque em entrevista.

Além da China e dos territórios chineses de Macau e Hong Kong, há pelos menos 50 casos confirmados do novo coronavírus em 20 países - Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Singapura, Vietnam, Nepal, Malásia, Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Austrália, Finlândia, Emirados Árabes Unidos, Camboja, Filipinas e Índia.

A Índia também confirmou nesta quinta o primeiro caso do coronavírus no país. Segundo as autoridades indianas, um aluno da Universidade de Wuhan apresentou resultado positivo para o vírus.

Os casos de infecção pelo coronavírus fora da China têm sido uma preocupação entre as autoridades de saúde globais, pois há sinais de que vírus pode estar se espalhando com grande facilidade, dificultando o trabalho de combate.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) reúne especialistas para avaliar se o surto deve ser declarado emergência global.

VOLTA PARA CASA

O Japão e os Estados Unidos foram os primeiros países, na quarta-feira, a repatriar centenas dos seus cidadãos que se encontravam na cidade chinesa de Wuhan. Vários países europeus, entre eles Portugal, França, Reino Unido, Itália e Alemanha, mas também a Austrália têm em marcha planos para fazer o repatriamento de seus cidadãos em Wuhan.

O Reino Unido negocia com as autoridades chinesas o repatriamento de cerca de 200 britânicos, depois de não ter conseguido concuir hoje o retorno de seus cidadãos conforme planejado, disseram fontes oficiais.

A empresa nacional israelense El-Al anunciou, como também outras companhia aéreas, que suspendeu os voos para Pequim diante da disseminação do coronavírus.