Coronavírus: animais de estimação podem contrair COVID-19?

·3 min de leitura
Lidando com os pets em época de Coronavírus (Foto: Getty Images)
Lidando com os pets em época de Coronavírus (Foto: Getty Images)

Por Renan Botelho (@renan_botelho)

Desde que o governo de Hong Kong confirmou o primeiro - e único caso até então - de um cachorro contaminado com o COVID-19, no dia 28 de fevereiro, muitos boatos sobre a relação do coronavírus com os animais de estimação surgiram na internet. Nesta semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) precisou emitir um comunicado esclarecendo que não há evidências de que seu bichinho possa ser infectado ou transmitir a doença, mas alguns cuidados são necessários.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

A veterinária Daniele Zurita Perrella, responsável pela Creche Pet Family de Santo André, em São Paulo, explica que o caso do cão de Hong Kong foi uma exceção. "Qualquer animal que esteja em um ambiente com extrema contaminação pode apresentar o vírus no organismo. Temos que tomar cuidado com a desinformação", alertou. O animal diagnosticado vivia com uma mulher que estava isolada com sintomas do COVID-19.

Leia também

A profissional explica: "Pense bem, se uma pessoa infectada espirrar na mão, fazer carinho no cachorro e, depois outra pessoa entrar em contato com aquele cachorro o que pode acontecer? Bem, se essa pessoa colocar a mão na boca, olho ou nariz, há grande chance de contágio. Exatamente como pode acontecer com maçanetas e balcões. Ainda, esse cachorro poderá sim apresentar o vírus no seu organismo, uma vez que ele pode lamber o próprio pelo ou um ambiente contaminado, o que não significa que ele apresentará sintomas".

Não são transmissores do vírus

Os cachorros e gatos não têm os mesmo sintomas que os humanos e não transmitem o coronavírus. Porém, eles podem ser um meio de transmissão e carregar o COVID-19 pela casa. "É uma questão de higiene básica, se a pessoa não entender que deve usar máscaras, luvas e manter a distância adequada de outros seres vivos, não só o pet dela como toda a casa será um ambiente com alta carga viral", explica a veterinária.

Se você estiver com os sintomas do COVID-19, considere deixar o animal aos cuidados de outra pessoa durante o período da quarentena, assim você pode evitar que ele carregue o vírus para diferentes ambientes. Sempre use máscara e lave a mão antes e depois que for interagir com eles - seja brincando, dando petiscos ou colocando ração.

Pet shop

Para a veterinária não há necessidade de evitar levar o seu animal de estimação para a creche ou para o pet shop. "Esses locais costumam ter protocolos de limpeza e desinfestação melhor que o doméstico, exatamente para diminuir riscos de contágios de doenças entre pets e colaboradores".

O importante é respeitar a quarentena. Se você está com COVID-19, deixe que outra pessoa leve o animal para tomar banho e evite ao máximo contato com outros humanos. "Na situação em que estamos, os banhos são essenciais, afinal, o vírus não gosta de limpeza", alerta ela.

Não abandone seu amigo!

A Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) emitiu um comunicado para conscientizar as pessoas e impedir que “a epidemia do Covid-19 não resulte em medidas inadequadas contra animais domésticos ou selvagens, que possam comprometer seu bem-estar e saúde ou ter um impacto negativo na biodiversidade”. O seu animal de estimação não é o problema.