Coronavírus: Mandetta pede para população seguir governadores e evitar aglomerações

André de Souza, Daniel Gullino, Leandro Prazeres e Renata Mariz
Praia de Ipanema, na Zona Sul do Rio

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, voltou a defender a necessidade de distanciamento social para reduzir o risco de contágio pelo novo coronavírus, que já matou 359 pessoas no país. Ele pediu para a população seguir as recomendações dos governadores de seus estados.

As orientações divergem do que tem defendido o presidente Jair Bolsonaro, que, entre idas e vindas, já se pronunciou a favor de relaxar medidas de isolamento. Bolsonaro também tem entrado em choque com governadores que adotaram medidas para restringir atividades econômicas e diminuir a circulação de pessoas.

Leia também

— Nós recomendamos que as pessoas todas elas atendam as recomendações dos governadores de seus estados, que tem os melhores números, para propor as usas medidas. Que cada um faça aquilo que sua consciência e aquilo que é uma situação que está aí — disse Mandetta.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Ele também disse que não adianta interromper as medidas de restrição já na segunda semana, uma vez que assim não surtirão efeito. E recomendou a evitar que as pessoas se juntem.

— O que é da minha responsabilidade é dizer: temos uma doença infecciosa, respiratória, viral, que transmite, que o vírus é competente, se juntamos vamos fazer contaminação uns dos outros, alguns não terão nada, nem saberão que terão a doença, outros terão formas leves, um número expressivo terá uma doença que vai levá-los ao hospital, um número vai a CTI, e um número vai óbito. Ponto. No momento não tenho vacina. Ponto. No momento não tenho um remédio que possa acreditar que usando em em larga escala, consiga tratar. Ponto. No momento não tenho testes que eu consiga fazer na velocidade que eu podeira imagina um país dessas dimensões para correr atrás do paciente contaminado. Ponto. No momento não tenho como pegar determinados locais do Brasil, que tem milhões de pessoas em favelas com quartos minúsculos e quadros sociais para fazer isolamento. Esse é o quadro. E tenho o mundo inteiro correndo atrás dos mesmos equipamentos e mesmos materiais. Esse é o quadro geral — disse o ministro.