As finais menos prováveis do SP-20

Mauro Beting
·1 minuto de leitura
SP-20
SP-20

Todo campeão merece respeito. Não necessariamente admiração.

O SP-20 baterá recorde. Nenhum semifinalista chegou sabendo como conseguiu chegar até tão longe. Por minutos, há uma semana, a Ponte Preta que é basicamente o mesmo elenco antes da parada (mudança significativa só de treinador) estava sendo rebaixada. Acabou classificada, virando agora semifinalista depois de virar o placar contra o Santos com 10 na Vila Belmiro.

Ela enfrenta no Allianz Parque o Palmeiras que perdeu Dudu e ainda não encontrou em 2020 nem o jogo, nem o time e nem o futebol. É "favorito" dentro do que é possível prever agora, pós-pandemia, em 90 minutos, e com pênaltis possíveis.

Na outra semifinal, de um lado o maior campeão estadual. O atual campeão. Tricampeão paulista. Mas que segue jogando pouco. Fato que contra o melhor time do SP-20 (Red Bull Bragantino) fez a melhor exibição em 2020 - o que é tão bom quanto tão ruim pelo baixo desempenho até então. Corinthians que voltou da parada mais

fazendo contas para não cair do que para que se classificar. Dependia dos outros. Agora parece que os outros é que dependem do Corinthians não ser o que é.

Enfrenta o Mirassol que era o menos badalado da fase anterior. O time que perdeu 8 titulares. Perdeu ao todo 18 atletas. Inscreveu Zé Roberto na véspera do atacante eliminar o São Paulo no Morumbi.

Quase que dois milagres cada um em seu quadrado. Um deles será o finalista impensável há uma semana.

Chegará ainda mais longe. O que é ótimo como história. Maravilhoso como superação. Preocupante como nível de futebol. Mas compreensível por tudo que vivemos e sobrevivemos.