Copa do Mundo 2022: protestos contra homofobia, racismo e machismo marcam jogos

A Copa do Mundo 2022 começou no Qatar no último domingo (20), com direito a apresentação musical de Jungkook, do BTS. Mas o clima de festa não durou muito - com razão! Os jogos desta segunda-feira (21) foram marcados por protestos dos jogadores, que se mobilizam contra às políticas discriminatórias do Qatar e dos seus próprios países.

A FIFA até tentou impedir as "polêmicas", proibindo que os participante usassem braçadeiras à favor da comunidade LGBTQIAP+ - já que homossexualidade é proibida no país. Porém, muitos burlaram a instrução, correndo risco de serem multados e punidos com cartão amarelo. Outros temas, como machismo e racismo também foram abordados. Confira tudo o que rolou!

Inglaterra protesta contra discriminação na Copa

A escolha do Qatar para sediar a Copa do Mundo causou debate, principalmente porque o país compactua com políticas e legislações extremamente discriminatórias. Por isso, muitas seleções se comprometeram a jogar com braçadeiras em homenagem à comunidade LGBTQIAP+, que é perseguida no país sede.

A FIFA, porém, proibiu a iniciativa, ameaçando punir jogadores com cartões amarelos na partida e até mesmo multas. Segundo o Globo, a proibição impediu com que 7 times protestassem, mas alguns corajosos ainda fizeram questão de mostrar sua opinião.

O capitão da Inglaterra, Harry Kane, usou...

Leia +


Leia +

"Procura-se", com Camila Queiroz e Klebber Toledo, ganha trailer
Hailey Bieber: 35 looks com a evolução de estilo da modelo
Marvel e Disney no Brasil: Kevin Feige, elenco de "Homem-Formiga 3" e mais na CCXP