Copa dos crias: barbeiro coloca a bandeira do Brasil na cabeça da molecada

Em Resende, cidade do interior do Rio de Janeiro, há uma nova maneira de torcer pelo Brasil: com a bandeira pintada na cabeça. O look, batizado por pessoas da internet como Copa dos Crias, foi criado pelo barbeiro Washington Rodrigo Santos da Conceição, que quis fazer algo diferente para divulgar seu salão, localizado no bairro Fazenda da Barra 3. “O intuito era atrair mais cliente, principalmente para a Copa”, afirma o barbeiro de 24 anos em entrevista ao Yahoo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Quando era adolescente, Washington queria entrar para a Polícia Rodoviária Federal. Mas, no segundo ano do colegial, estava sem fazer muita coisa e foi convidado por um amigo para fazer um curso de barbeiro. “Pedi para os meus pais, eles deixaram e eu me matriculei. Curti muito desde o primeiro momento”, narra. Todo mundo achava que seria um ofício passageiro, mas o profissional corta cabelo há seis anos e meio. “Nunca tinha imaginado que seria barbeiro, mas gostava do resultado, a evolução do meu aprendizado a cada dia que passava.’

Em sua página do Instagram, Washington, que atualmente é acompanhado por mais de 15 mil pessoas na rede social, costuma compartilhar seus trabalhos. Os cortes são, normalmente, na régua. Com os acabamentos bem certinhos. As tinturas, no entanto, são mais ousadas. Ele já pintou teias de aranha e corações nas cabeças de seus clientes. Antes da bandeira do Brasil, seu carro chefe eram os reflexos alinhados, que faziam uma espécie de pontinhos brancos nos cabelos dos jovens de Resende.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Há dois meses, no entanto, o barbeiro teve a ideia de fazer a bandeira como aquecimento para a Copa do Mundo. “Não sabia como encaixá-la na cabeça, então a primeira coisa que fiz foi desenhá-la em uma folha de papel. Aí fui experimentando no meu próprio cabelo”, explica. Foi assim que surgiu a ideia de fazer os moldes de papel para o círculo interior e o losango que compõem a flâmula nacional.

A “cobaia” para o vídeo foi Erick, de 17 anos, seu cliente há quatro anos. “Postei no Instagram que procurava pessoas para um trabalho diferente, ele ficou curioso e mandou mensagem. Disse que era a bandeira do Brasil, mas não falei o tamanho ou como seria”, diz o barbeiro. Inicialmente, o jovem cliente ficou meio assustado, mas, no fim, curtiu o resultado. “Ele já fez a bandeira umas três vezes depois disso”, ri.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Há dois meses, o vídeo do look viralizou nas redes sociais, mas Washington Rodrigo não estava recebendo os créditos. Assim, no dia da abertura, ele reeditou o reels e publicou-o novamente, mas, dessa vez, com a sua marca d’água. Atualmente, o vídeo tem 5 milhões de visualizações no Tik Tok e mais de 200 mil no Instagram. “Agora todo mundo quer a bandeira na cabeça”, brinca.

Um corte comum com Washington custa R$ 18. Para sair do salão com o look verde e amarelo, por sua vez, é preciso desembolsar R$ 100. Segundo o barbeiro, o processo dura em torno de duas horas. “O que mais demora é descolorir o cabelo”, diz. É que ele precisa deixar o cabelo branquinho, matizado, para poder pintar, usando moldes e tonalizantes coloridos, a bandeira do Brasil. “A parte mais difícil é o círculo e o losango, que tenho que fazer com muita calma para não estragar”, fala.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Depois do sucesso do verde e amarelo do Brasil, Washington criou visuais de outras bandeiras de países que estavam na disputa pela Copa: Canadá, Argentina, Bélgica, França e Inglaterra. A brasileira, no entanto, é sucesso absoluto. “Já fiz mais de 30.”

O próximo passo do barbeiro é criar um curso online para ensinar técnicas a outros profissionais que já cortam cabelo. “E treinar um pessoal para abrir um segundo salão”, planeja o barbeiro.