Consumo de alimentos ultraprocessados ​​aumenta em 60% o risco de morte prematura

Ouvimos bastante sobre alimentos processados nos dias de hoje, mas o perigo real são os alimentos ultraprocessados, de acordo com um estudo recente. - © anaumenko - stock.adobe.com

Por Jack Rear

Dois novos estudos publicados no British Medical Journal revelaram os perigos do consumo de alimentos "ultraprocessados" - uma categoria que inclui pão branco, refeições prontas, salsichas, cereais açucarados, refrigerantes e salgadinhos. A pesquisa afirma que uma dieta com muitos alimentos ultraprocessados ​​aumenta em 60% o risco de morte prematura.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Isso se baseia na pesquisa divulgada em fevereiro, onde cientistas da Universidade Paris-Sorbonne rastrearam as dietas e a mortalidade subsequente de quase 45.000 participantes franceses de meia-idade. Eles descobriram que a cada 10% de aumento na ingestão de “alimentos ultraprocessados” estava associado a um aumento de 14% no risco de morte nos oito anos seguintes.

Leia também

Ficou preocupado? Se você olhar para as estatísticas em torno do consumo de alimentos, deveria se preocupar mesmo. Segundo um estudo 2018, alimentos "ultraprocessados" compõem cerca de 50% das dietas britânicas.

A professora Maira Bes-Rastrollo, da Universidade de Navarra, disse à BBC News: "Dizem que, se um produto contém mais de cinco ingredientes, provavelmente é ultraprocessado". Mas há uma maneira um pouco mais profunda de identificar esses alimentos.

Crédito: Rafael Marchante / Reuters

O termo “alimentos ultraprocessados” é relativamente novo, lançado pelo pesquisador de nutrição brasileiro Carlos Monteiro, criador do NOVA, um sistema de classificação de alimentos que os categoriza segundo o seu grau de processamento.

O NOVA se tornou amplamente utilizado nos últimos anos, ajudando a esclarecer a confusão causada pelo fato de que, anteriormente, “processado” significava coisas diferentes para pessoas diferentes. Por exemplo, algumas pessoas considerariam alimentos congelados ou enlatados como alimentos processados, já para outras, o processamento significava adicionar certos produtos químicos.

O NOVA divide os alimentos em quatro grupos: alimentos não processados ​​ou minimamente processados, ingredientes culinários processados, alimentos processados ​​e alimentos ultraprocessados. Então, o que é cada um desses grupos e como você pode diferenciá-los?

Grupo Um: alimentos não processados ​​ou minimamente processados

Essa é uma categoria dois em um, mas, em resumo, provavelmente não vale a pena se preocupar muito com esses alimentos.

Alimentos não processados ​​são definidos como “partes comestíveis de plantas (sementes, frutos, folhas, caules, raízes) ou de animais (músculos, miudezas, ovos, leite) e também fungos, algas e água”, que você pode comer, sem que nenhum processamento tenha sido feito com eles.

Crédito: Dan Kitwood / Getty Images Europe

Alimentos minimamente processados ​​são aqueles que tiveram algumas pequenas alterações de aparência, como a remoção de partes não comestíveis ou indesejadas. Congelamento, ebulição, enlatamento, embalagem a vácuo e pasteurização também são considerados um processamento mínimo.

Crucialmente, alimentos e bebidas só podem ser considerados não processados ​​ou minimamente processados ​​se não tiverem aditivos adicionados. Uma pequena advertência é em relação aos aditivos usados ​​para preservar as propriedades do alimento original, como vegetais embalados a vácuo com adição de antioxidantes.

Grupo Dois: ingredientes culinários processados

Em seguida, temos ingredientes que são produzidos pelo processamento de alimentos do Grupo Um ou obtidos diretamente da natureza. Por exemplo, sal extraído da água do mar ou açúcar feito de cana-de-açúcar. Basicamente todo material que é projetado para cozinhar e temperar outros pratos.

Mais uma vez, a maioria não contem aditivos, exceto os que são usados ​​para preservar as propriedades do alimento original.

Grupo Três: alimentos processados

A maneira mais fácil de identificar alimentos processados ​​é observar se são tirados dos dois grupos anteriores e recebem ainda adições. Como o peixe salgado, por exemplo. Alimentos processados ​​geralmente são feitos de dois ou três ingredientes.

Aqui, o objetivo do processamento do alimento é “aumentar a durabilidade dos alimentos do grupo 1, ou modificar ou melhorar suas qualidades sensoriais”.

Aditivos também são colocados nos alimentos processados ​​para preservar suas qualidades originais ou prevenir infecções microbianas.

Grupo Quatro: alimentos ultraprocessados

E finalmente chegamos ao grupo de alimentos associados a uma maior mortalidade. Estas são as “formulações industriais” onde os ingredientes do Grupo Um tem uma proporção muito pequena ou até mesmo nenhuma nesses alimentos. Como em refeições prontas, sopas em pó, biscoitos, chocolate e sorvete.

Você vai notar que os alimentos ultraprocessados ​​têm muitos aditivos, incluindo açúcar, sal, gordura, óleo e conservantes. Às vezes, os ingredientes são extraídos de outros alimentos ou derivados do processamento de alimentos já processados.

Os alimentos ultraprocessados ​​são a única categoria na qual você encontrará corantes, estabilizadores de cor, aromatizantes, adoçantes sem açúcar e emulsificantes. Além disso, os processos usados ​​para produzir esse tipo de alimento ​​ utilizam máquinas e não têm um equivalente tradicional.

A NOVA também define alimentos ultraprocessados ​​como aqueles prontos para comer, refeições prontas que precisam ser aquecidas. Também define algumas das condições de mercado dos alimentos ultraprocessados: “Atributos comuns de produtos ultraprocessados ​​são hiper-palatabilidade, embalagens sofisticadas e atraentes, marketing forte voltado para crianças e adolescentes, alegações de benefícios para a saúde, alta lucratividade, e geralmente feitos por corporações transnacionais.”

Alimentos dos Grupos Um e Três contendo “aditivos ou intensificadores de sabor”, como o iogurte com adoçantes artificiais, também são considerados alimentos ultraprocessados.

Como comer de forma saudável de acordo com o guia NOVA?

Este guia sobre a escala de alimentos processados recomenda que os alimentos do Grupo Um sejam a base da sua dieta, com pequenas quantidades de ingredientes do Grupo Dois para agradar o paladar.

Os alimentos do Grupo Três são os que você deve tentar reduzir, se puder, e só consumir como parte de uma refeição com alimentos do Grupo Um e Dois.

Por fim, os alimentos do Grupo Quatro devem ser totalmente removidos da sua dieta.

Pode parecer um desafio tirar esses alimentos famosos (e deliciosos) da sua dieta, mas se levarmos em conta os resultados deste estudo recente, essa mudança lhe ajudará a viver por mais tempo.