5 fatos que você precisa saber antes de se consultar virtualmente com um médico

É bom lembrar que a orientação das autoridades de saúde é que você fiquei em casa, mas sentar no sofá e esperar o problema passar não é uma alternativa. Foto: Getty Images

Por Natália Leão (@natileao_)

Sejamos sinceros, com a pandemia de coronavírus à solta, a última coisa que você quer agora é precisar ir a um hospital, não é mesmo? Mas e se você se sentir mal, torcer um pé, tiver dor de estômago, ou qualquer outro problema - relacionado ou não aos sintomas da COVID-19 - o que fazer?

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

É bom lembrar que a orientação das autoridades de saúde é que você fiquei em casa, mas sentar no sofá e esperar o problema passar não é uma alternativa. Para reduzir a procura ao sistema de saúde e proteger a população, a Câmara dos Deputados aprovou, no fim de março, um projeto de lei que autoriza o uso da telemedicina em caráter emergencial, enquanto durar o isolamento social.

Leia também

As plataformas virtuais de atendimento que permitem que profissionais e pacientes de saúde se encontrem por vídeo, parecem feitas feito sob medida para esse momento. Mas existem detalhes da telemedicina que ainda são desconhecidos pela maioria dos pacientes (e até por alguns médicos). Por isso, consultamos vários especialistas da área de saúde para listar o que você precisa saber ou fazer antes de se consultar virtualmente com um médico.

1 - Entenda se você realmente precisa se consultar remotamente agora

Não é apenas de sintomas de COVID-19 que vive a telemedicina, outros problemas continuam afetando nossa saúde, portanto, antes de agendar uma teleconsulta, pense na sua queixa de forma pragmática: “trata-se de uma dor nas costas - ou qualquer outra questão - que está aí há 10 anos, não causa limitação e não teve piora? Talvez seja melhor esperar a pandemia passar e depois ir ao médico”, diz a psiquiatra Denise Gobo.

“Mas em se tratando de qualquer queixa nova, seja ela física ou emocional, deve ser avaliada”, completa. A ginecologista Bárbara Murayama complementa que, embora a telemedicina não seja capaz de resolver todos os problemas, ela sempre pode ajudar com uma orientação correta, na hora certa. “Em 100% das vezes conseguimos orientar a paciente e conseguimos direcionar, nem que seja para dizer que espere, ou que realmente vá ao consultório para ser examinada ou mesmo ao hospital por tratar-se de urgência. Cada caso é um caso.”

2 - Busque um médico de confiança e use uma plataforma segura

Se você nunca se consultou presencialmente com o especialista em questão, é bom buscar referências sobre ele antecipadamente, afinal você vai compartilhar informações muito pessoais de saúde com essa pessoa.

Um bom começo é perguntar para o RH da sua empresa se eles têm algum tipo de parceria. Plataformas como a Conexa, que facilitam o teleatendimento, frequentemente atuam em parceria com a área de gestão de pessoas de planos de saúde, empresas e hospitais.

“É como um gympass de medicina”, explica Guilherme Weigert, proprietário da Conexa. Se esse não for o caso da sua empresa, ou se você não tiver carteira assinada, pode recorrer a plataformas como Dr. Consulta e Doctoralia que já oferecem o teleatendimento como alternativa.

Outro detlahe: o WhatsApp ou o DM do Instagram podem servir perfeitamente para um bate-papo com seus amigos, mas não para uma consulta médica. “O ideal é usar plataformas que garantam a segurança dos dados, à prova de clonagem, invasões, que preserve o histórico do paciente na nuvem, com acesso restrito ao seu médico, termo de responsabilidade, etc.”, explica Guilherme Weigert, da Conexa.

A maioria dessas plataformas também permitem ao médico gerar prontuários on-line e receituários virtuais, assinados com certificado digital, e aceitos em farmácias para compra da maioria dos medicamentos. Alguns médicos, que ainda não se cadastraram a plataformas próprias para essa finalidade, estão usando Zoom, Skype ou Google Meet, também mais seguros que o WhatsApp.  

3 - Informe-se antecipadamente sobre o valor e o tempo da consulta

Cada médico está operando de uma forma: alguns entendem que a teleconsulta é um atendimento igual ao presencial, por isso, deve ter o mesmo tempo e preço, outros acreditam que o valor cobrado deve ser menor, já que a teleconsulta talvez não consiga cumprir todos os requisitos de uma visita ao consultório. “Nas minhas consultas virtuais eu cobro pouco mais de 50% do valor total, pois entendo que estou prestando um atendimento emergencial ou dando uma solução rápida”, explica o ortopedista Sérgio Maurício. Por isso, para evitar surpresas no fim da conversa, se informe antes de começar.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) garantiu que os beneficiários de planos de saúde podem fazer consultas por telemedicina com a utilização da sua rede assistencial, da mesma forma que seriam realizadas no sistema presencial em consultórios e clínicas, inclusive podendo ser atendido e depois pedir o reembolso, se o contrato permitir essa opção.

“Por se tratar de um consulta à distância, sem os benefícios da proximidade física, do toque, as consultas via telemedicina podem durar mais tempo que as convencionais, pois o profissional se sente compelido a fazer mais perguntas, tentar extrair o máximo de informações possíveis do paciente, que nem sempre é claro nas suas queixas”, explica a psiquiatra Denise Gobo.

No entanto, outros profissionais podem optar por abordagens diferentes. “Por vezes o médico prefere fazer uma consulta mais breve e agendar outros ‘acompanhamentos’ pontuais ao longo da semana”, completa a psicóloga Carla Guth. De qualquer forma, como diz a sabedoria popular, “o combinado não sai caro”.

4 - Antes de começar sua consulta, tenha claras e anotadas suas queixas de saúde

Antes mesmo de se conectar ao seu médico, se prepare para essa consulta anotando em um papel suas dúvidas, queixas e sintomas. “Informações importantes como quando foi a sua última menstruação - quando se tratar de uma consulta ginecológica -, ou quando começaram seus sintomas, medicamentos em uso contínuo ou que tomou nos últimos dias, certamente serão relevantes para o seu médico”, explica a ginecologista Bárbara Murayama.

Ter exames prévios em mãos, fotografados e/ou digitalizados, além da senha de acesso para a liberação de exames feitos em clínicas de diagnóstico também pode ser útil para alguns casos, complementa a médica. Lembre-se, essa não é uma conversa sobre seu bichinho de estimação, sua família ou trabalho (afinal, você está pagando por essa consulta). “Se o paciente consegue ser claro nas informações fornecidas o médico consegue, na maioria das vezes e junto com a avaliação de exames, ser muito preciso no diagnóstico.

Nós já conseguimos comprovar, via telemedicina, a necessidade de uma cirurgia”, conta o ortopedista e cirurgião de coluna João Paulo Bergamaschi. Portanto, capriche em dar detalhes quando o médico solicitar. E mais importante: certifique-se de que todas as suas dúvidas foram esclarecidas cerca de 10 minutos antes do fim da consulta. Seu médico não estará disponível eternamente para responder suas dúvidas pontuais via WhatsApp.

5 - Escolha um local silencioso para sua consulta e esteja sozinho ao fazê-la

Pode parecer óbvio, mas os médicos garantem que não é. Em uma consulta médica convencional, estarão na sala apenas você e o profissional de saúde. Em uma teleconsulta deve ser igual. Seu médico pode precisar de informações bastante íntimas, como o formato das suas fezes, por exemplo, ou outros detalhes que você não quer compartilhar com seus familiares.

Portanto, esteja sozinho em um cômodo para a consulta (com exceção de crianças e idosos com alguma limitação que possam precisar de auxílio ou supervisão). Outra questão importante é o silêncio. Assim como você desliga seu celular ao entrar no consultório médico (ou assim deveria fazer), você deve desligar aparelhos eletrônicos, celular, TV, rádio, se afastar de outras pessoas, para sua teleconsulta.

“Outra dica simples e eficaz é posicionar o celular de forma que o médico possa ver seu corpo todo e suas mãos fiquem livres para apontar locais de dor, por exemplo”, pontua o ortopedista Sérgio Maurício.

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário