Considerado um 'mini Picasso', menino de 7 anos agita o mundo da arte

Por Kit HOLDEN
1 / 2
Aos 7 anos, Mikail Akar é considerado um prodígio

Com suéter listrado, sorriso sincero e o sonho de se tornar jogador de futebol, Mikail Akar se parece com qualquer garoto de sete anos. No entanto, esse jovem prodígio do expressionismo agita a cena da arte há anos.

Apelidado de "mini Picasso" pela imprensa alemã e natural de Colônia, o menino vende pinturas em todo o mundo por vários milhares de euros.

"Com apenas sete anos, ele já se destacou no mundo da arte. Há interesse por ele na Alemanha, França e Estados Unidos", comenta seu pai e agente, Kerem Akar.

Ele diz que descobriu o dom do seu filho por acaso, depois de dar a ele uma tela e alguns pincéis em seu quarto aniversário, já que ele "já tinha carrinhos e bonecos suficientes para brincar".

"A primeira tela foi fantástica, e a princípio pensei que minha esposa a havia pintado, embora não seja uma artista. Eu pensei que poderia ser uma coincidência, mas depois de sua segunda e terceira pinturas, ficou claro que ele tinha talento", conta, orgulhoso.

Uma obra de sua última coleção foi vendida recentemente por 11.000 euros em benefício da associação para crianças patrocinada por Manuel Neuer, goleiro da seleção alemã de futebol.

- Luvas de boxe -

Suas pinturas em cores explosivas lembram o expressionismo abstrato do americano Jackson Pollock, que é um de seus ídolos, como dois outros artistas lançados muito jovens à fama: Jean-Michel Basquiat e Michael Jackson.

Mas a criança se orgulha de ter desenvolvido seu próprio estilo: ele aplica tinta spray na tela equipado com... luvas de boxe do pai.

"Ver um tal equilíbrio e tal harmonia de composição, eu não esperava isso de uma criança", exclama Arina Daehnick, fotógrafa de Berlim, durante uma apresentação em meados de dezembro das obras do menino na capital alemã.

Diana Achtzig, diretora da galeria de arte contemporânea Achtzig, em Berlim, disse que ficou impressionada com "a imaginação e a variação" de Mikail Akar: "desde que ele tenha alguém que o apoie e que não o explore, terá um futuro brilhante pela frente".

O jovem artista, por sua vez, afirma ter outros sonhos: "Quando eu for mais velho, quero me tornar jogador de futebol profissional", lança, antes de detalhar, todo empolgado, a história de uma recente vitória por 8-0 de seu time na escola.

"Pintar é bastante cansativo para mim. Às vezes pode demorar muito tempo... especialmente com luvas de boxe", admite.

- Marca de sucesso -

Seu pai garante que ele e sua esposa tentam não pressionar o filho e protegê-lo desta glória repentina.

"Se for demais para ele, vamos intervir. Recusamos muitos pedidos", disse Kerem Akar.

"Ele só pinta quando quer: às vezes é um quadro por semana, às vezes um por mês".

O pai admite que sua própria vida mudou radicalmente desde que descobriu o talento de seu filho e que ele e sua esposa "vivem para a arte" hoje.

Ex-vendedor e recrutador, Kerem Akar, de 38 anos, agora cuida dos negócios do filho em tempo integral.

Para isso, fundou sua própria agência e ajudou a tornar seu filho uma marca de sucesso.

Evidenciado pelos bonés de beisebol à venda no evento de Berlim, todos adornados com a assinatura de Mikail formada por "M" e "A" de seu primeiro nome.

Com mais de 40.000 seguidores no Instagram, o jovem artista pretende conquistar o mundo. Depois de Colônia, ele exibirá pela primeira vez em sua vida no exterior: em Paris, na primavera de 2020.