'Conseguiram seu George Floyd', diz Eduardo sobre homem negro assassinado em mercado

Extra
·1 minuto de leitura

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou neste sábado que a esquerda brasileira conseguiu o "seu George Floyd", negro morto nos Estados Unidos, em um caso de racismo e violência policial. Trata-se, segundo ele, de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, que foi assassinado nas dependências de uma loja do Carrefour em Porto Alegre, na quinta-feira, véspera do dia da Consciência Negra.

Na postagem no Twitter, o filho do presidente Jair Bolsonaro manifesta "repúdio ao espancamento fatal" no supermercado. Em seguida, afirma que Lula disse que a esquerda deveria "copiar o quebra-quebra do Chile".

No fim do ano passado, centenas de milhares de chilenos foram às ruas pedir mudanças políticas no país. Esses protestos levaram ao plebiscito, em 26 de outubro deste ano, em que quase 80% dos chilenos votaram a favor de uma nova Constituição.

Eduardo afirma, então, que "conseguiram seu George Floyd para, sob pretexto de combater o racismo, de maneira organizada, destruir tudo até talvez conseguirem nova Constituinte".

Além dessa publicação, o deputado postou outras mensagens criticando os protestos contra a morte de João Alberto por dois homens brancos, que o espancaram por quase 10 minutos.

"Se fosse a direita quebrando o Carrefour seria MANIFESTAÇÃO ou ATO ANTIDEMOCRÁTICO? A benevolência do sistema com a esquerda é proposital", afirmou na rede social.