Conheça o jovem que de dia é pedreiro e à noite drag queen: 'Evolução como ser humano'

Pedreiro drag queen – Reprodução/Instagram @safira.o.hara

Conheça a inspiradora história de vida de Igor William de Santana Lopez. Aos 29 anos, o jovem ‘explora’ dois lados distintos que habitam dentro dele, afinal, ninguém é uma coisa só. Durante o dia, ele trabalha como pedreiro e à noite como drag queen.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Quando Igor termina seu trabalho nas obras quem surge é Safia O’Hara, a persona glamourosa que encanta os palcos. “Parece uma energia que chega e toma conta. Quando estou de Safira parece que me desligo do Igor”, conta.

Quero ver um trans conquistando seu carro com o dinheiro de seu trabalho como advogado. Quero ver uma mulher trans comprando um apartamento com o suor de seu trabalho como cabeleireira, quero ver um gay que foi expulso de casa comprando seu mega apartamento. É isso que precisamos ouvir mais

Leia mais: Mãe é rechaçada por permitir que seu filho de nove anos se torne drag queen

Aceitação

Mas nem tudo são flores na vida do carioca que vive na Zona Norte do Rio de Janeiro. Aos 19 anos, a família virou as costas para ele por conta de sua orientação sexual e ele foi expulso de casa. “Morei 10 anos de aluguel e sonhava com a casa própria, de poder construí-la. Conquistei um terreno, e eu e Severino ‘caímos para dentro'”.

Severino, 56, é seu mestre no oficio da construção e foi com ele que Igor aprendeu a exercer a profissão. “Aprendi a trabalhar com meu amigo e pedreiro, sou noviço na área. Aprendi construindo minha própria casa, que ainda está em acabamento. Sempre aproveitei as oportunidades que a vida dá”.

Se para a família ser gay era um problema, para os colegas de trabalho o isso não foi uma questão. “Nunca foi um problema. Tratamos tudo com muito profissionalismo e diversão ao som de Glória Groove, Pablo Vittar. Nunca teve preconceito nenhum. Sempre levam de boa e até me chamam de Safira na obra”.

Multifacetado

Não é apenas como pedreiro e drag queen que Igor trabalha, o jovem também trabalha em um restaurante na Baixada Fluminense.

“Meus patrões são gays, um casal homoafetivo que me adotou e torce pela Safira. Já fui até no restaurante montada. Sucesso sempre”.

Leia mais: Escola convida drag queen para ler histórias para crianças no Dia Mundial do Livro – e elas adoram

Com o desejo de estudar artes visuais, Igor não tem problema em colocar a mão na massa. “Já fui saladeiro, hoje sou sushiman nesse restaurante. Sou das Artes”.

Segundo ele, todos à sua volta sabem sobre sua sexualidade e sobre Safira. “Gostam, se divertem e admiram a arte. Acham incrível a transformação”.

Leia mais: 9 frases homofóbicas e transfóbicas que devemos parar de falar

Como nasceu Safira

Foi justamente seu gosto artístico o gatilho para o aparecimento de sua personagem há 10 anos. “Fazia teatro e usei o recurso da arte do transformista. Me apaixonei e estou até hoje. Safira me pulsa a ser uma pessoa especial e minha vida mudou quando ela apareceu. Safira é uma pedra precisa, mística e preciosa como minha drag é pra mim, nasceu comigo e surgiu para o meu amadurecimento”.

Para que Safira chegue é preciso muitas horas de preparo. “Levo uma hora para maquiagem, 30 minutos para me montar e até chegar no destino, leva-se uma hora e meia. Tudo para fazer uma apresentação de 5 minutos”.

Mas é o amor que faz com que todo o esforço valha a pena, já que há vários fatores difíceis quando se é uma drag queen. “Ser drag tem seus riscos e suas bênçãos. Sofrer algum caso de agressão ou homofobia por ignorantes na noite ou na madrugada durante a volta pra casa.  O cachê nem sempre é bom. muitas vezes vale outras não. Mas é muito bom estar no palco, ser drag é uma delícia e amo dar vida à voz de Maria Bethânia. Ser drag é vestir artes”.

Contrastes

O ser pedreiro e drag é poética para Igor e sua paixão por tudo que faz é inspiradora. “Ser pedreiro é ser guerreiro, ter oportunidade, mostrar o poder da construção da realização de sonhos num trabalho tão braçal ora valorizado ora não”.

Drag é vida! Amo a arte drag, pois me possibilita exalar arte. São muitos estilos que são impossíveis de definir. Drag ajuda quem se monta a evoluir como ser humano

Sonhos

Igor almeja um mundo melhor onde as pessoas sejam livres para ser quem são, sem medo de sofrer nas mãos do preconceito. O carioca espera que sua história sirva para inspirar outras pessoas e para que a comunidade LGBTQs tenha mais voz, além de aceitação.

“Ouço muito sobre LGBTQs serem expulsos de casa. Quando publiquei minha foto nas redes [contando sua trajetória] queria passar uma mensagem. Quero ver LGBTQs construindo seus sonhos e fazendo morar suas felicidades. Quero ver um homem trans conquistando seu carro com o dinheiro de seu trabalho como advogado. Quero ver uma mulher trans comprando um apartamento com o suor de seu trabalho como cabeleireira, quero ver um gay que foi expulso de casa comprando seu mega apartamento. É isso que precisamos ouvir mais“.